domingo, 31 de março de 2013

Feliz Páscoa!


Neste domingo especial repleto de chuva, o Refém das Letras deseja a todos os leitores uma feliz Páscoa, na companhia daqueles que mais gostam, incluindo evidentemente os nossos caros livros por perto. 
Aproveito para avisar que o passatempo Autor vs Autor termina amanhã, às 23h59. Podem ganhar dois livros, por isso não percam esta oportunidade maravilhosa. Participem aqui.

Boas leituras a todos!

sábado, 30 de março de 2013

Selo: Blog de Outro Mundo


Cá veio parar mais um selo, desta vez oferecido pela Beatriz do Esmiuçar Página a Página. Muito obrigado pelo presente, Beatriz!

As regras deste selo são:
1) Colocá-lo no teu blog;
2) Referir o link de quem te enviou;
3) Dizer quais são as três coisas que mais gostas num livro e as três que mais odeias;
4) Passar o selo a 5 (ou mais blogs) que consideres de outro mundo.

As duas primeiras etapas já estão cumpridas. Quanto á terceira, vou prosseguir do mesmo modo que a Beatriz:

Coisas que mais gosto num livro:
1) Um enredo bem elaborado e delineado que me vá surpreendendo ao longo das páginas de modo a estar constantemente cativado pela história;
2) Personagens marcantes e profundamente exploradas, com as quais nos possamos identificar e também reflectir, já que, na minha opinião, as personagens devem ser o ponto fulcral e a essência de uma história, seja ela qual for;
3) Uma escrita simples, fluente, mas ainda assim polida.

Coisas que menos gosto num livro:
1) Uma sinopse que revela praticamente toda a história;
2) Demasiadas reviravoltas no enredo que provocam a perda de sentido do mesmo (por outras palavras, detesto ler um livro em que a história anda aos tropeções sem chegar a um ponto em concreto);
3) Páginas e páginas dedicadas a descrições irrelevantes e desnecessárias que comprometem o ritmo da leitura e a aproximação do leitor à trama.

Por fim, aqui ficam cinco blogues que eu considero do outro mundo (peço desculpa aos outros, mas só posso mencionar cinco):

Boas leituras a todos!

quinta-feira, 28 de março de 2013

Novidades Quinta Essência - Abril


Vertigem de Paixão
Elizabeth Hoyt
Lançamento: 2 de Abril

Ela oferece o seu corpo, mas não o seu coração

Segundo Livro da Série A Lenda dos Quatro Soldados

Sinopse
«Durante anos, Melisande Fleming amou Lorde Vale de longe… vendo-o seduzir uma sucessão de amantes e, uma vez, entrevendo a intensidade de sentimentos sob o seu exterior despreocupado. Quando ele é abandonado no dia do casamento, ela enche-se de coragem e oferece-se para ser sua
Vale tem todo o gosto em desposar Melisande, nem que seja apenas para produzir um herdeiro. Porém, tem uma agradável surpresa: uma dama tímida e recatada durante o dia, ela é uma libertina durante a noite, entregando-lhe o seu corpo… mas não o seu coração.
Decidido a descobrir os segredos de Melisande, Vale começa a cortejar a sua sedutora mulher – enquanto esconde os pesadelos dos seus dias de soldado nas Colónia que ainda o atormentam. No entanto, quando uma mortífera traição do passado ameaça separá-los, Lorde Vale tem de expor a sua alma à mulher com quem casou… ou arriscar-se a perdê-la para sempre.»

A autora
Elizabeth Hoyt nasceu em Nova Orleães, onde a família da mãe vive há várias gerações, mas foi criada nos invernos gélidos de St. Paul, Minnesota. Quando era pequena, a família viajou muito na Grã-Bretanha, passando um verão em St. Andrews, na Escócia, e um ano em Oxford. Tem uma licenciatura em Antropologia pela Universidade de Wisconsin, Madison. Wisconsin foi também o local onde conheceu o marido, arqueólogo – numa escavação num campo de milho – e vivem no centro do Illinois, com os seus dois filhos, três cães e um jardim que ela cuida com entusiasmo. A família Hoyt gosta de fazer férias que acabem invariavelmente em sítios arqueológicos. A Quinta Essência já publicou O Sabor da Tentação, primeiro livro da série «A Lenda dos Quatro Soldados».
Elizabeth adora receber comentários dos seus leitores. Pode enviar-lhe uma mensagem eletrónica para: elizabeth@elizabethhoyt.com ou escrever-lhe para: PO Box 17134, Urbana, Illinois 61803, EUA. Visite a sua página Web em: elizabethhoyt.com para concursos, excertos de livros, e atualizações da autora.


Perto de Ti
Anita Notaro
Lançamento: 2 de Abril

Alguma vez teve vontade de virar costas e ir embora?

Sinopse
«Louisa está farta da sua vida. Do namorado, do trabalho, do apartamento - tudo precisa de uma reforma imediata e radical. E assim ela decide mudar tudo a favor de uma existência despreocupada, trocando o seu apartamento por uma casa móvel, o carro por uma moto, e as suas roupas elegantes por outras informais. E, acima de tudo, começa um novo trabalho como psicóloga de cães. Com as amigas Maddy e Clodagh, embarca numa nova aventura - para conhecer pessoas diferentes, descobrir novos lugares e encontrar um homem novo e fabuloso. O seu trabalho traz-lhe recompensas imediatas e extraordinárias quando ela conhece os donos de cães cujos problemas muitas vezes parecem ecoar os dos donos. Mas independentemente do stresse da sua nova vida, Louisa tem o apoio das amigos. Se ao menos isso pudesse durar para sempre…
Uma manhã, ao acordar, Lulu dá-se conta de que tem urgentemente de repensar a sua vida por completo. Do que precisa é de mais tempo: para descontrair, para se divertir com os amigos e, acima de tudo, para encontrar o homem perfeito que há tanto tempo procura, sem êxito. Assim, reúne as ferramentas do seu ofício como psicóloga, abandona o seu elegante apartamento e o carro descapotável que conduz e abraça uma vida mais simples.
É então que se dá uma terrível tragédia e Lulu percebe que, afinal de contas, não é assim tão fácil escapar ao passado. Será ela capaz de lidar com os assuntos inacabados e construir a vida perfeita por que tanto anseia?»

A autora
Anita Notaro é produtora de televisão, jornalista e realizadora e trabalhou para a RTE, a radiotelevisão da Irlanda, durante dezoito anos. Foi a realizadora do Festival Eurovisão da Canção e das eleições gerais irlandesas, bem como de programas para a BBC e Channel 4. A Quinta Essência publicou já Há Sempre um Amanhã.


Do Céu, com Amor
Michelle Homan
Lançamento: 16 de Abril

E se voltasse à Terra noutro corpo?

Sinopse
«Depois de uma colisão frontal entre um elegante carro desportivo e um utilitário, um anjo bondoso faz uma troca na sala de espera do Céu.
Uma professora baixinha, temperamental e amante de râguebi recebe uma segunda oportunidade e encontra-se no corpo de uma americana alta, deslumbrante e promíscua. Tem um marido rico e lindo de morrer que parece ter acabado de sair de um romance -, mas por uma razão qualquer, não suporta sequer olhar para ela.
Ela pensa que enlouqueceu, e se contar a alguém as pessoas saberão que isso é verdade... e irão interná-la. E ela não pode fugir e esconder-se: tem uma perna partida.

"Respirando fundo, Lisa levantou o espelho.
O rosto que viu era encantador, apesar dos hematomas e do tom acinzentado e pouco saudável da pele. O cabelo negro caía em madeixas oleosas sobre uma testa alta e lisa. Olhos grandes e azuis, com longas pestanas negras, fitavam-na com uma expressão apreensiva. Viu maçãs do rosto altas e salientes, e um nariz longo e estreito por cima de uma boca carnuda e rosada.
Era o rosto da mulher que vira na sala de espera.
O rosto da mulher que conduzia o descapotável azul.
A mulher chamada Linda.
George tinha-a posto no corpo errado."»

A autora
Michelle Holman vive em Cambridge, na Nova Zelândia. Os seus livros são bestsellers internacionais e os direitos de Do Céu, com Amor, o seu primeiro romance, foram vendidos para cinema.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Novidades ASA - Abril


Nasci Num Harém
Fatima Mernissi 
Nº de páginas: 448
Lançamento: 12 de Abril

Sinopse
«”Nasci num harém em Fez, Marrocos…” assim começa a história de uma infância passada por detrás dos muros proibidos de um harém.
Com uma voz carregada de emoção e um exotismo comparável ao das “Mil e Uma Noites”, Fatima narra as suas memórias e os sonhos e fantasias das mulheres que a viram crescer. Mulheres a quem o mundo exterior era interdito e que usavam o puro poder da imaginação para o recriar. Por entre o inebriante aroma a incenso e a suavidade dos véus multicores, ela viveu uma infância exuberante e mágica, mas também isolada e com pouco ou nenhum contacto com a realidade.
A sua timidez e docilidade eram uma fonte de preocupação para a sua mãe, uma mulher rebelde e inspiradora, que a instigava a sonhar mais alto e a ousar transpor os muros proibidos para ver o mundo com os seus próprios olhos.»


Amor & Enganos
Julia Quinn
Nº de páginas: 384
Lançamento: 19 de Abril

Sinopse
«Sophie Beckett tinha um plano ousado: fugir de casa para ir ao famoso baile de máscaras de Lady Bridgerton. Apesar de ser filha de um conde, ela viu todos os privilégios a que estava habituada serem-lhe negados pela madrasta, que a relegou para o papel de criada. Mas na noite da festa, a sorte está do seu lado. Sophie não só consegue infiltrar-se no baile como conhece o seu Príncipe Encantado. Depois de tanto infortúnio, ao rodopiar nos braços fortes do encantador Benedict Bridgerton, ela sente-se de novo como uma rainha. Infelizmente, todos os encantamentos têm um fim, e o seu tem hora marcada: a meia-noite.
Desde essa noite mágica, também Benedict se rendeu à paixão. O jovem ficou até imune aos encantos das outras mulheres, exceção feita… talvez… aos de uma certa criada, que ele galantemente salva de uma situação desagradável. Benedict tinha jurado tudo fazer para encontrar e casar com a misteriosa donzela do baile, mas esta criada arrebatadora fá-lo vacilar. Ele está perante a decisão mais importante da sua vida. Tem de escolher entre a realidade e o sonho, entre o que os seus olhos veem e o que o seu coração sente. Ou talvez não…»


Menina Rica, Menina Pobre
Joanna Rees
Nº de páginas: 512
Lançamento: 30 de Abril

Sinopse
«Thea e Romy são duas lindas bebés cujo futuro é ditado por uma moeda atirada ao ar. Separadas e vendidas na calada da noite, os seus destinos não podiam ser mais diferentes. Thea é enviada para os Estados Unidos, onde a espera uma vida de privilégio e luxo. Romy é internada num violento e degradado orfanato na Alemanha de Leste. Embora vivam em continentes diferentes, os seus caminhos vão cruzar-se ao longo dos anos, sem que nenhuma conheça a identidade da outra. Mas os seus mundos acabarão por colidir um dia. Face a uma tragédia iminente, com tudo o que lhes é mais querido em jogo, elas têm apenas duas opções: destruírem-se mutuamente ou unirem-se, arriscando as próprias vidas, para descobrir a chocante verdade sobre o seu passado.
Das vielas decadentes de Londres aos arranha-céus de Nova Iorque, das montanhas geladas da Europa de Leste às exuberantes praias das Caraíbas, duas mulheres unidas pelo poder invisível dos laços de sangue constroem as suas vidas numa luta permanente contra a arbitrariedade do acaso.»

Passatempo: Autor vs Autor (1): George R. R. Martin vs Raymond E. Feist


Já viram o primeiro duelo de autores aqui? Qual a vossa opinião? Preferem o irreverente Martin, criador do reino de Westeros, ou o místico Feist que nos conduz pelas terras de Crydee? Num comentário com um mínimo de 300 caracteres (incluindo espaços) deixem as vossas preferências, referindo o que gostam e não gostam nos dois autores, podendo compará-los, ou apenas opinar sobre um dos autores caso só conheçam um deles. Podem e devem ainda mencionar outros aspectos que achem relevantes. Participem até dia 1 de Abril, às 23h59, e entre todos os comentários que respeitem os critérios, será escolhido aleatoriamente um que será o vencedor. O leitor que escreveu o respectivo comentário terá a oportunidade de escolher não um, mas dois livros pela mão da Saída de Emergência (desde que estejam disponíveis em stock da editora) do seu autor favorito, Martin ou Feist. Não se esqueçam de deixar bem claro o autor que preferem pois quando for revelado o comentário vencedor será também revelado o autor que venceu este duelo. 

Façam as vossas apostas! A oportunidade de ganharem livros do vosso autor favorito está nas vossas mãos.

segunda-feira, 18 de março de 2013

Autor vs Autor (1): George R. R. Martin vs Raymond E. Feist


O primeiro duelo do "Autor vs Autor" centra-se no campo da fantasia. O Refém das Letras contará com o apoio da Saída de Emergência que, logro em dizer, é a editora que nos oferece o melhor conteúdo neste género que eu particularmente aprecio. Seleccionei dois dos autores que, a meu ver, se sobrepõem a outros por variadas razões. São eles o escritor d' As Crónicas de Gelo e Fogo, George Martin, e o criador da série O Mago, Raymond Feist (o primeiro à esquerda, o segundo à direita):

 

Ambos os autores são mestres nesta área da literatura, cada um à sua maneira. Vejamos primeiro o caso de Martin: iniciando-se como um escritor de ficção científica e guionista de produções de Hollywood, George R. R. Martin tornou-se um estrondoso sucesso com a sua famosa saga As Crónicas de Gelo e Fogo, uma história sobre interesses políticos e ambições de poder. Esta saga já conta com cinco volumes publicados (edição original) e estão previstos mais dois. A saga, de tão bem sucedida, foi adaptada para uma série televisiva que tem o título do primeiro volume, A Game of Thrones. Porquê tanto sucesso? Porque Martin escreveu uma história inédita e invulgar dentro do fantástico, dotada de uma qualidade impecável que agrada tanto a amantes do fantástico como àqueles que apreciam sobretudo um bom romance. Isto deve-se ao hábil engenho que Martin possui ao elaborar as suas personagens, que são sem sombra de dúvida o trunfo de toda a sua obra. Existem imensas figuras referidas nas suas histórias, mas há aquelas que como intervenientes principais da trama se destacam e é com eles que Martin faz dos seus livros romances épicos. O objectivo das personagens em questão é o trono, o poder, e por eles cada um luta ávida e implacavelmente. Como já referi em opiniões aqui no blogue, os capítulos desta saga estão divididos por personagens, ou seja, cada capítulo relata situações vividas por determinada personagem. No entanto, Martin não se limita a narrar. Este explora e esventra cada figura na sua intimidade, revelando os sentimentos característicos de cada uma, numa escrita corrente e imparável com poucas descrições. Assim, o leitor aproxima-se bastante das personagens, ficando com a ideia de que as conhece desde sempre. E é quando estamos verdadeiramente cativados por uma delas que Martin nos atormenta com acontecimentos brutais e inesperados que mudam todo o decorrer da história, sendo um choque porque Martin não nos prepara para tal. A imprevisibilidade é outro factor que joga a favor dos seus livros, e que por vezes nos delicia e por outras é algo terrível que nunca esperaríamos. 

Opinião aqui.
O que, na minha opinião, falta nesta saga e a tornaria uma verdadeira obra-prima é a própria característica do género: fantasia. Ainda só li os três primeiros volumes (versão Portuguesa) e talvez este aspecto compareça nos próximos volumes. Embora esta seja uma saga que consegue existir apenas das suas personagens e respectivas intrigas, penso que adicionar um pouco de magia e sobrenatural seria muito interessante, ampliando ainda mais a minha admiração por estes maravilhosos livros. Afinal, um cenário tão auspicioso e imponente merece algo mágico que o torne grandioso. Os ingredientes já introduzidos por Martin resultam magnificamente e resultariam ainda melhor se o autor apostasse fortemente no carácter sobrenatural.

É, contudo, o que falta nesta obra de Martin que abunda no universo de Feist. Logo em O Mago: Aprendiz, deu para perceber que magia não é apenas uma referência para adornar o título do livro. Nas suas páginas, Feist elabora um mundo de magia repleto de misticismo e criaturas singulares que depressa cativam o interesse e dão um toque especial à trama. O que também diferencia a obra de Martin da de Feist é o modo de escrita, que neste último é mais particularizada, descrevendo cenários e situações detalhadamente, o que por vezes torna a leitura morosa. Neste aspecto, Martin vence por apresentar uma escrita bem mais fluente, ainda que complexa em alguns momentos.
Opinião aqui.

Ainda assim, é possível encontrar alguns pontos em comum, com as suas próprias variantes dentro de cada obra. Um deles são as personagens. Também Feist as explora bem, destacando desde cedo aspectos cativantes de cada uma. N' O Mago são em muito menor número os participantes do enredo, e talvez por isso nos apeguemos mais aos mesmos, principalmente Pug e Tomas. Mas é Martin, que mesmo com mais personagens para apresentar e caracterizar, consegue triunfar relativamente às personagens de Feist, já que Martin faz delas o ponto essencial de toda a história. Ainda importante destacar que ambas as histórias assentam em interesses políticos e reinados que lutam pelo poder, e em ambas as histórias se constrói um engenho que evidencia as ambições de uns e de outros, havendo inevitavelmente episódios de luta bem construídos que aumentam o ritmo da narrativa.

Portanto, se nos focarmos naquilo que o próprio género deve demonstrar, sobrepõe-se claramente O Mago como uma obra fascinante quanto ao conteúdo de fantasia e elaboração de personagens que facilmente se relacionam com o tema, cativando o leitor. Contudo, se nos referirmos à própria obra, As Crónicas de Gelo e Fogo superam em qualidade, quer quanto às personagens quer quanto ao impacto que o desenrolar da trama provoca no leitor. São obras distintas que, na sua singularidade, tocam em variadíssimos aspectos que fazem delas sucessos incontornáveis da literatura fantástica.

Autor vs Autor


Inicia-se uma nova rubrica no blogue que tem como título "Autor vs Autor". Nestes posts serão feitas referências a autores e, por norma, será feita um comparação entre dois autores do mesmo género. Ou seja, dentro do fantástico, romance, policial, entre outros, irei escolher dois autores que eu aprecie em particular e confrontá-los quanto ao seu estilo, modo de escrita, personagens e outros pormenores que ache relevantes - um verdadeiro duelo de titãs, no qual haverá um deles que prevalecerá no fim. A parte boa é que vocês, leitores, terão a possibilidade de intervir e decidir aquele que consideram melhor entre os dois, e consequentemente aquele que será consagrado vencedor. São completamente livres de dar a vossa opinião, tecer comentários aos livros do autor que preferirem pois estarão a jogar a vosso favor já que no fim haverá surpresas para os participantes! 

O desafio consiste no seguinte: terão que deixar os vossos comentários nos posts e referir qual dos dois rivais pretendem que seja o grande vencedor, evidenciando opiniões, pontos de vista e razões pelas quais gostam mais daquele autor e/ou não do outro e vice-versa. De acordo com a maioria das preferências, será eleito o autor vencedor. Entre todos os comentários dos participantes será eleito aleatoriamente um deles, e o leitor que publicou esse comentário terá o direito de escolher um livro do seu autor favorito, tenha ele sido o vencedor da rubrica ou não.

Gostam da ideia? Se sim, espero poder contar com a vossa participação. Se não, também! Não se esqueçam que vocês são parte fundamental desta iniciativa e está nas vossas mãos a oportunidade de ganharem prémios fantásticos.

Brevemente será publicado o primeiro duelo. Estejam atentos!

domingo, 17 de março de 2013

O Símbolo Perdido



Título original: The Lost Symbol
Autor: Dan Brown
Nº de páginas: 571
Editora: Bertrand Editora
Colecção: Grandes Romances


Sinopse
«Washington, D. C.: Robert Langdon, simbologista de Harvard, é convidado à última hora para dar uma palestra no Capitólio. Contudo, pouco depois da sua chegada, é descoberto no centro Rotunda um estranho objecto com cinco símbolos bizarros. Robert Langdon reconhece-os: trata-se de um convite ancestral para um mundo perdido de saberes esotéricos e ocultos. 
Quando Peter Solomon, eminente maçom e filantropo, é brutalmente raptado, Langdon compreende que só poderá salvar o seu mentor se aceitar o misterioso apelo. 
Langdon vê-se rapidamente arrastado para aquilo que se encontra por detrás das fachadas da cidade mais poderosa da América: câmaras ocultas, templos e túneis. Tudo o que lhe era familiar se transforma num mundo sombrio e clandestino, habilmente escondido, onde segredos e revelações da Maçonaria o conduzem a uma única verdade, impossível e inconcebível. 
Trama de história veladas, símbolos secretos e códigos enigmáticos, tecida com brilhantismo, O Símbolo Perdido é um thriller surpreendente e arrebatador que nos surpreende a cada página. 
O segredo mais extraordinário e chocante é aquele que se esconde diante dos nossos olhos…»

Opinião
O emblemático simbologista e professor Robert Langdon vê-se mais uma vez confrontado com uma situação repleta de enigmas e mistérios, que remontam a períodos há muito passados mas que continuam a influenciar o mundo actual, mesmo que de uma forma discreta, que passa despercebida a muitos de nós. Em O Símbolo Perdido, o ênfase recai sobre as crenças de uma sociedade que todos reconhecemos, mas que ao ler este livro nos apercebemos que não conhecemos verdadeiramente: a maçonaria. Com esta premissa, Dan Brown empreende uma história que combina conhecimento e ficção e, como não poderia deixar de ser, instigando o leitor a uma ampla reflexão e especulação.

Um súbito e aparentemente inocente convite desencadeia os acontecimentos de uma noite que se torna alucinante para Langdon. Este tem em mãos uma tarefa complexa e difícil: desvendar segredos há muito ocultos e, ao mesmo tempo, tentar salvar a vida de alguém que lhe é próximo. Para a sua missão ser bem sucedida, Langdon depende da sua capacidade intelectual e da sua constante perspicácia. Mas não seria, de todo, possível desvendar os enigmas ocultos sem a presença de uma figura feminina que adorna toda a história e ainda traz consigo conhecimentos brilhantes para o caso em questão. Katherine Solomon é uma cientista revigorante que explora novos campos dentro da ciência e que, com a sua determinação e fascínio pela sabedoria, se alia a Robert para salvar Peter Solomon, o seu irmão.

Robert Langdon é claramente a voz de Brown a transmitir os seus conhecimentos. Ainda assim, em O Símbolo Perdido, o autor incute nesta personagem uma dimensão mais emocional e humana do que, por exemplo, em O Código Da Vinci. As duas obras são completamente diferentes em termos de conteúdo, mas enquanto que na anterior a trama é o ponto essencial e o fascínio da obra, neste O Símbolo Perdido as personagens ganham maior destaque, mais emoção. Há espaço para as personagens pensarem e reflectirem a nível pessoal, o que é factor bastante positivo, tendo em conta os assuntos abordados no livro.
A outra personagem de destaque é Mal'akh, que nos introduz nos campos obscuros do esoterismo e na ânsia de um poder supremo que deve ser obtido a todo o custo. Mal'akh é obsessivo, poderoso e em certos excertos alguém que arrepia o leitor com a sua excentricidade e absoluta convicção. É, portanto, um perfeito vilão que, na verdade, acaba por ser a maior surpresa de toda a história. Este é mais um ponto a favor da importância das personagens neste livro.

Não obstante, a trama não perde a sua importância como motor evolutivo da história. Apesar de estar relutante quanto ao tema, já que a imagem que tinha da maçonaria era aquela que muitos também têm (a de uma sociedade de interesses políticos e de engenhos traiçoeiros), Brown convenceu-me do contrário. É intuito desta sociedade afastar-nos desses problemas e inculcar uma mentalidade receptiva, alargada ao exterior, mas essencialmente ao interior de nós. O autor consegue passar essa mensagem de uma forma hábil e assertiva, salpicando as suas páginas com pormenores de grande interesse histórico e factual, entretendo o leitor com pistas, enigmas e questões com os quais se interage, aguçando o interesse e o desejo de chegar ao último capítulo.

É, contudo, ao terminar que se fica com uma sensação de insatisfação, de que houve algo que não foi revelado e que faltava para adicionar aquela magia especial que completa a obra. Talvez por habituar o leitor a revelações bombásticas e inesperadas no decorrer do livro eu não tenha ficado maravilhado com um final que se apresenta bastante simples quanto a esse aspecto. Poderá ser nessa simplicidade e na mensagem que a mesma passa que reside o deslumbramento de O Símbolo Perdido. Como Brown nos ensina nesta história, é nas coisas mais simples que se encontram as respostas que se procuram, e quase sempre nos passa despercebida a essência de uma palavra ou de uma imagem até ao momento em que nelas encontramos a simplicidade, a sua verdade, que é tão clara mas que nós tanto obscurecemos.

Dan Brown constrói com O Símbolo Perdido um sucesso garantido que equilibra o foro emocional das suas personagens com a trama absolutamente fascinante, repleta de revelações surpreendentes. Fica exposta a verdade que é a nossa própria realidade, tão remota quanto a própria história mas tão desvirtuada pelo próprio homem que, na sua maioria, foi incapaz de a preservar ao longo dos séculos. Afinal, a verdade pode ser simples, mas apenas os que a compreendem são dela dignos. 

A verdade tem poder. E se todos gravitamos em torno de ideias semelhantes, talvez o façamos por essas ideias serem verdadeiras... e estarem profundamente inculcadas em nós. E quando ouvimos a verdade, mesmo que não a compreendamos, sentimo-la ecoar dentro de nós... vibrando com uma sabedoria inconsciente. Talvez a verdade não seja aprendida re-cuperada... re-lembrada... re-conhecida... como aquilo que já existe em nós.

domingo, 3 de março de 2013

Novidades Quinta Essência - Março


Encontras-me no Fim do Mundo
Nicolas Barreau
Nº de páginas: 216

Sinopse
«Jean-Luc Champollion é aquilo a que os franceses chamam um homme à femmes. O encantador proprietário de uma galeria bem-sucedida ama a arte e a vida, é muito sensível ao encanto das mulheres, que de bom grado lho retribuem, e vive num dos bairros da moda de Paris, em perfeita harmonia com o seu fiel dálmata Cézanne. Tudo corre bem até que, uma da manhã, Jean-Luc encontra no correio um envelope azul, e a sua vida muda para sempre. A missiva é uma carta de amor, ou melhor, uma das declarações de amor mais apaixonadas que o galerista já viu, mas não vem assinada: a misteriosa autora decidiu esconder-se e convida-o a descobrir quem é. Jean-Luc fica inicialmente confuso, mas decide alinhar. A remetente anónima forneceu-lhe um endereço de e-mail e desafia-o a responder. Mas a tarefa não é fácil. Em breve, Jean-Luc tem apenas um objetivo: descobrir a identidade da caprichosa desconhecida, que parece conhecer muito bem os seus hábitos e gosta de o provocar incessantemente. Assombrado pelas suas palavras, Jean-Luc segue as pistas dispersas na correspondência, cada vez mais incapaz de resistir à mais doce das armadilhas. O objeto da sua paixão existe apenas no papel e na sua imaginação, mas ele sente conhecer melhor esta mulher do que os quadros expostos na sua galeria, mesmo que nunca tenha visto o seu rosto. Ou será que viu?»

Do mesmo autor na Quinta Essência:



Férias em Saint-Tropez
Elizabeth Adler
Nº de páginas: 508

Sinopse
«Numa villa em St. Tropez, no sul da França, cinco turistas que não se conhecem - todos eles a fugirem da sua vida do dia-a-dia - veem-se reunidos à força no pequeno Hotel dos Sonhos. Chez Violette parecera ser o refúgio perfeito para o detetive privado Mac Reilly e a sua namorada/parceira, Sunny Alvarez, e para os seus cães Pirate e Tesoro. Sunny chega primeiro e descobre que foram enganados, juntamente com várias outras pessoas que julgaram estar a alugar aquela elegante casa na Riviera francesa. De repente e de forma inesperada, são forçados a solucionar um crime e a desvendar um homicídio, tendo como pano de fundo a soalheira e glamorosa Saint- Tropez.»


Da mesma autora na Quinta Essência:


Um Pequeno Escândalo
Patricia Cabot

Nº de páginas: 416

Sinopse
«Quando a bela Kate Mayhew é contratada como dama de companhia de Isabel, a filha obstinada de Burke Traherne, o marquês vê-se numa situação impossível. Dividido entre saber que ela é exatamente aquilo de que Isabel precisa mas, para ele, a pior tentação possível, encontra-se constantemente perto de alguém que ameaça a sua independência. Conhecido pelo seu autodomínio férreo desde o dia em que apanhou a mulher com um amante, Burke jurou nunca mais arriscar-se a casar. Ao aceitar a oferta de emprego de Sua Senhoria, a temperamental Kate enfrenta dois perigos: sua atração irresistível por um homem que abdicou do amor, e um encontro com o seu próprio passado escandaloso... que ela não pode manter secreto para sempre.» 

Da mesma autora na Quinta Essência:

sexta-feira, 1 de março de 2013

Pensamentos (3)



There's no greater pain than the one when you don't want to open your eyes to face another day, making a tremendous effort to oblige your body to move. You have no will, no power over yourself as if you are being controlled like a puppet. You turn into an empty being. You turn into a whole in the middle of the world. You turn into nothing. When that moment comes, your soul is taken from you as you are wrapped up in a thick, dark bubble where the light fades away and away... But suddenly, another moment may come, a moment that only fate will decide either to offer it or not. If you are lucky, you'll se a ray of subtle light coming into the bubble and into you, getting lighter as it comes closer. As the time goes by, you'll be able to see through the bubble as it wides in lucidity. And maybe someday, if you are determined to catch that sigh of luck, the darkness will come to an end and the bubble will shatter. Then, you'll be free once more. Free to dream. Free to live.

Novidades ASA - Março


A Provação do Inocente
Agatha Christie 
Lançamento: 8 de Março

Sinopse
«Condenado a prisão perpétua, Jacko Argyle sucumbiu a uma pneumonia e acabou por morrer sem conseguir provar a sua inocência. Acusado de assassinar a mãe adotiva, o jovem jurou em tribunal ter um álibi e até uma testemunha. Mas essa pessoa nunca foi encontrada.
Acabado de chegar de uma longa viagem, Arthur Calgary tem informação que permite limpar o nome de Jacko, ainda que postumamente. A inocência de Jacko implica a culpa de outra pessoa… mas só a família estava em casa naquela noite fatal…
A Provação do Inocente (Ordeal by Innocence) foi originalmente publicado em 1958 na Grã-Bretanha, tendo sido editado nos Estados Unidos no ano seguinte. Foi adaptado para o cinema em 1985 e para a televisão em 2007.»

A autora
Agatha Christie nasceu Agatha May Clarissa Miller, em Torquay, na Grã-Bretanha, em 1890. Em 1971, a Rainha Isabel II consagrou-a com o título de Dame of the British Empire. Deixando para trás um legado universal celebrado em mais de cem línguas, a Rainha do Crime, ou Duquesa da Morte (como ela preferia ser apelidada), morreu em 12 de Janeiro de 1976.
Em 2000, a 31st Bouchercon World Mystery Convention galardoou Agatha Christie com dois prémios: ela foi considerada a Melhor Escritora de Livros Policiais do século XX e os livros protagonizados por Hercule Poirot a Melhor Série Policial do mesmo século.


A Marca das Runas
Joanne Harris
Lançamento: 14 de Março

O primeiro volume da série “Crónicas das Runas”.

Uma viagem ao coração das lendas nórdicas.

A estreia de Joanne Harris, uma das escritoras mais conhecidas e queridas do público português, no universo da literatura fantástica.

Sinopse
«Maddy Smith nasceu com uma marca que ditou o seu destino. A runa inscrita na sua pele é um símbolo dos Antigos Deuses, uma marca mágica. E perigosa.
Na pequena aldeia onde vive todos a receiam e excluem. Mas Maddy não renega a sua sorte. Pelo contrário, ela adora magia. Mesmo que isso a condene à solidão.
Quinhentos anos passaram desde Ragnarók – o flagelo que marcou o Fim dos Tempos –, e a Nova Ordem impôs regras que ditam o aniquilamento do Caos, da Magia, dos Sonhos e da Imaginação.
À medida que os seus feitiços ficam cada vez mais fortes, Maddy sabe que será apenas uma questão de tempo até os Examinadores da Ordem a identificarem e perseguirem. E tempo é algo que o Mundo não tem… agora que a ameaça de destruição é cada vez mais real. Isolada, Maddy pode apenas contar com o ancião seu mentor, que lhe dá a conhecer as lendas nórdicas, com os seus deuses e criaturas maravilhosas. Invisível para a maioria das pessoas, este Mundo Subterrâneo encerra a chave do seu passado. Dela depende o destino do Mundo, mais uma vez…»

A autora
Joanne Harris nasceu no Yorkshire, de mãe francesa e pai inglês. Com Chocolate, Vinho Mágico, Cinco Quartos de Laranja, A Praia Roubada, Na Corda Bamba, Danças & Contradanças, Valete de Copas e Dama de Espadas, Xeque ao Rei, Sapatos de Rebuçado, O Rapaz de Olhos Azuis e Maligna (todos publicados pela ASA), conheceu um retumbante sucesso internacional, que a adaptação ao cinema de Chocolate (com Juliette Binoche e Johnny Depp) veio intensificar.
Com Fran Warde, é coautora dos livros A Cozinha Francesa e Do Mercado para a sua Mesa – Novas Receitas da Cozinha Francesa, também sob a chancela da ASA.


Menina de Ouro
Chris Cleave

Lançamento: 21 de Março

Sinopse
«Bestseller do The New York Times e USA Today, Menina de Ouro, de Chris Cleave, é um livro sobre os limites do AMOR.
Sobre as nossas LUTAS diárias. Sobre o conflito entre os nossos DESEJOS e a realidade.
Sobre Kate e Zoe. Duas mulheres brilhantes com um SONHO que apenas uma poderá realizar.
Sobre Sophie. Uma criança dotada de uma sensibilidade rara, que luta entre a VIDA e a morte contra uma leucemia linfobástica aguda.
Estão unidas por um SEGREDO. Delas se exige uma ESCOLHA. No momento mais importante das suas vidas, uma delas terá de fazer o derradeiro SACRIFÍCIO.
Recomendado pelos mais importantes clubes de leitura, Menina de Ouro é sobre o que significa ser HUMANO, mas também sobre o que nos permite a todos, de diferentes formas, atingir o EXTRAORDINÁRIO.»

A crítica
“Chris Cleave é um artesão da palavra. A sua escrita é tão comovente que quase nos esmaga. Menina de Ouro devia ser leitura obrigatória.” - The Times

“Um romance sensacional. Consegue a proeza de vencer o sarcasmo urbano e comover, porque, de facto, foca o essencial.” - The Observer

O autor
Chris Cleave nasceu em 1973 nos Camarões. Foi jornalista, colunista, barman, marinheiro e professor.
Incendiário, o seu romance de estreia, venceu o Somerset Maugham Award em 2006, o Book-of-the-Month Club Award na categoria de primeiro romance e o Prémio Especial do Júri nos Prémios dos Leitores de França em 2007. Foi adaptado para o cinema, num filme protagonizado por Ewan McGregor e Michelle Williams.
Seguiu-se Pequena Abelha, um estrondoso sucesso de crítica e público em todo o mundo. Integrou as listas dos melhores livros do ano de diversas publicações, entre elas, o The Independent, a O, The Oprah Magazine e o Chicago Tribune. Foi finalista do Costa Novel Award 2008 e do Commonwealth Writers’ Prize 2009. Está a ser adaptado para o cinema, num filme protagonizado por Nicole Kidman.
Menina de Ouro, o seu mais recente romance, foi a derradeira confirmação do talento do autor. Aclamado pela crítica, teve entrada imediata na lista de bestsellers do The New York Times e USA Today, e é recomendado pelos mais importantes clubes de leitura. Chris Cleave vive atualmente em Londres com a mulher e os filhos.


Ligeiramente Casados
Mary Balogh
Lançamento: 28 de Março

Sinopse
«Como todos os Bedwyn, Aidan tem a reputação de ser arrogante. Mas este nobre orgulhoso tem também um coração leal e apaixonado – e é a sua lealdade que o leva a Ringwood Manor, onde pretende honrar o último pedido de um colega de armas. Aidan prometeu confortar e proteger a irmã do soldado falecido, mas nunca pensou deparar com uma mulher como Eve Morris. Ela é teimosa e ferozmente independente e não quer a sua proteção. O que, inesperadamente, desperta nele sentimentos há muito reprimidos. A sua oportunidade de os pôr em prática surge quando um parente cruel ameaça expulsar Eve de sua própria casa. Aidan faz-lhe então uma proposta irrecusável: o casamento, que é a única hipótese de salvar o lar da família. A jovem concorda com o plano. E agora, enquanto toda a alta sociedade londrina observa a nova Lady Aidan Bedwyn, o inesperado acontece: com um toque mais ousado, um abraço mais escaldante, uma troca de olhares mais intensa, o “casamento de conveniência” de Aidan e Eve está prestes a transformar-se em algo ligeiramente diferente…»

A autora
Autora premiada e presença constante nas listas de bestsellers do New York Times, Mary Balogh cresceu em Gales, terra de mar e montanhas, músicas e lendas. Ela levou consigo a música e uma imaginação vívida quando se mudou para o Canadá. Aí iniciou uma auspiciosa carreira como autora de livros com finais felizes e que celebram o poder do amor. Os seus romances históricos venderam já mais de 4 milhões de exemplares em todo o mundo. Na ASA estão publicados Uma Noite de Amor e Um Verão Inesquecível.