quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

O Mago: Aprendiz



Título original: Magician
Autor: Raymond E. Feist
Nº de páginas: 416
Editora: Saída de Emergência
Colecção: Bang!

Sinopse
«Na fronteira do Reino das Ilhas, existe uma cidade tranquila chamada Crydee. Nessa cidade, vive um rapaz órfão de nome Pug. Trabalhando nas lides do castelo que o acolheu, ele sonha com o dia em que se tornará um guerreiro valoroso ao serviço do rei. Mas o destino troca-lhe as voltas e o franzino Pug acaba por tornar-se aprendiz do misterioso Mago Kulgan. Nesse dia, o destino de dois mundos altera-se para todo o sempre. Subitamente a paz do reino é esmagada, sem piedade, por misteriosas criaturas que devastam cidade após cidade. Quando o mundo parece desabar a seus pés, Pug percebe que apenas ele poderá mudar o rumo dos acontecimentos, penetrar as barreiras do espaço e do tempo, e dominar os poderes de uma nova e estranha magia... Esta é uma viagem por reinos distantes e ilhas misteriosas, onde irá conhecer povos e culturas exóticas, aprender a amar e descobrir o verdadeiro valor da amizade. Mas, no seu caminho, terá de enfrentar tenebrosos perigos e derrotar os inimigos mais cruéis.»

Opinião
O sugestivo título desta obra obrigou-me a adquiri-la sem relutância. Magia é área que eu gosto no que toca a literatura, e quando surge uma oportunidade para me debruçar sobre este tipo de fantasia faço-o automaticamente. No entanto, este livro, a meu ver, pecou por não demonstrar tanto dessa vertente quanto eu gostaria. Dadas as minhas fortes expectativas, esperava algo mais incidente neste tópico. No entanto, é este o único aspecto negativo que se ressalva. Porque para além disso, tudo o resto se enquadra numa qualidade e consistência magistralmente admiráveis.

Referindo primeiramente o enredo, temos um imponente reino em que impera a paz e a tranquilidade. Nele vive um conjunto de personagens que coabitam em harmonia. Até que, inesperadamente, se desencadeia um acontecimento, muito mais temível que aquilo que aparenta ser. A partir daqui, gera-se a trama que nos guiará por cenários esplêndidos e caóticos, por tempos remotos e até ao desconhecido, numa batalha constante que irá por em causa a segurança que outrora este povo conheceu. 

Feist enraizou neste primeiro volume uma diversa e esplêndida cultura. Os povos e costumes que acompanham esta jornada são encantadores, misteriosos, adensando uma história que de si já é largamente promissora. Facilmente somos transportados tanto para um paraíso acolhedor como para uma profunda escaramuça, através de um detalhe imenso que nos permite conhecer tais locais como se, de facto, existissem diante de nós. Este detalhe é uma característica que, para uns, poderá ser excessiva, mas que a meu ver só permite envolvermo-nos melhor com a acção descrita. Os acontecimentos são, assim, retratados e vividos intensamente. É também importante referir que a narração é imprevisível. Nunca se espera pelo ocorrer do inesperado, nem mesmo quando as circunstâncias o obrigam.

Mas, sem dúvida, o que se sobressalta no encalço de muitos admiráveis atributos é a singularidade das personagens que nos são apresentadas. Inicialmente, conhecemos Pug, o rapaz sobre o qual, supostamente, a acção se centraria. Isto pois ao longo do livro deparamo-nos com muitas outras personagens, cada uma com as suas próprias características mas quase com a mesma relevância. Quase todas elas são detalhadas, ressalvando as suas características mais profundas, o que permite uma maior intimidade do leitor com as mesmas. E por isso mesmo, penso que não existe uma personagem que se destaque. Todas elas revelam um enorme fascínio, à sua própria maneira. Ora, Pug é aquela personagem introdutória, aquela que envolve os mistérios iniciais. É claro que desejamos conhecê-la ao início, mas à medida que se deparam as novas figuras da trama é impossível não desenvolver igual fascínio. Feist não perde nenhuma personagem pelo caminho, retomando de quando em vez o seu rumo, um aspecto admirável. 

O companheiro de Pug, Tomas, é igualmente afável. Fervilhando sonhos e traçando o seu futuro, e apesar de enveredar por um caminho diferente de o de Pug, partilha com ele longas horas proporcionado divertidos momentos mesmo quando o temor ameaça cair sobre o reino de Crydee. E para além destes heróis, há ainda muitas outras maravilhosas personagens, que conservam em si uma descoberta de enorme prazer.

Quanto à escrita, esta pode considerar-se consistente e polida. Não é muita leitura tão fluente quanto outras do género, pois é necessário assimilar o conteúdo das palavras e o modo como se distribuem. É, ainda assim, bastante agradável.

Com o incerto término desta obra, apenas anseio pelo próximo volume. O que irá acontecer a Crydee e aos seus habitantes? Qual o destino que lhes está reservado? Irá o povo ter força suficiente para extinguir a batalha das suas barreiras? Muitas são as questões que merecem resposta, e muitos são os enigmas que pairam neste mundo. Tenho a certeza que esta forte história ainda tem muito para revelar. 

No âmago de tamanha fantasia, emoção e surpresa, O Mago é um enlace de crescente magnitude. Um mundo de riquíssimas personagens e conhecimento, que é inegavelmente uma leitura a seguir de perto.

2 comentários:

Ronaldo disse...

Onde voce o leu?
tem para comprar em portugues ou baixar?
Gostei da resenha sua.

Vc disse...

Olá :)
Eu adquiri o livro em Portugal em formato físico. Por cá o livro é editado pela Saída de Emergência, uma editora fantástica. Aqui fica o site da mesma: www.saidadeemergencia.com
Obrigado pelo comentário. Um bom livro merece uma boa crítica.
Não se esqueça de participar no passatempo Autor vs Autor para que se habilite a ganhar dois livros deste autor à sua escolha, caso sejam os seus favoritos!

Enviar um comentário