domingo, 11 de junho de 2017

Novidade Topseller: "Maré Viva" de Cilla e Rolf Börjlind


Nº de páginas: 400
PVP: 19,99€
Lançamento: 12 de Junho

Da Suécia chega a nova dupla de escritores – Cilla e Rolf Börjlind – cujas obras retratam uma sociedade repleta de conflitos sociais. Autores de várias séries televisivas, figuram entre os argumentistas mais aclamados da Suécia.

Maré Viva constrói-se sobre uma trama intrincada de delinquência social e crimes ao mais alto nível.

Sinopse
«Olivia Rönning é uma estudante da Academia de Polícia de Estocolmo. Ela tem de escolher um crime não resolvido para comprovar se, com os recursos tecnológicos atuais, seria possível desvendar o caso. E um terrível crime suscita o seu interesse: o homicídio de uma mulher grávida, em 1987, numa praia, em noite de maré viva.
Olivia retoma a investigação do crime e, em busca de pistas, procura Tom Stilton, o inspetor responsável pelo caso, descobrindo que este desapareceu de forma misteriosa.
Simultaneamente, surge a notícia de espancamentos a pessoas sem-abrigo nas ruas de Estocolmo, cujos requintes de crueldade chocam a opinião pública: os atos de extrema violência são filmados pelos agressores e divulgados na Internet.
Determinada a desvendar o crime, Olivia acaba por descobrir que Tom Stilton é, atualmente, um sem-abrigo. Tom está mais interessado em vingar os crimes perpetrados contra os seus pares do que em ajudar Olivia, mas juntos acabarão por unir esforços e desenterrar um passado com revelações surpreendentes.
Uma trama intrincada sobre delinquência social e crimes ao mais alto nível, que se desenvolve num crescendo de suspense até chegar a um final arrebatador.»

Os autores
Cilla e Rolf Börjlind são um casal de autores bestsellers suecos, cujas obras retratam uma sociedade repleta de conflitos sociais.
Figuram entre os argumentistas mais aclamados da Suécia, sendo autores de 26 guiões de policiais e thrillers para cinema e televisão.
Maré Viva recebeu arrebatados elogios por parte da crítica, tendo os seus direitos sido vendidos para trinta países. Só na Suécia vendeu mais de 300 mil exemplares. A obra foi também convertida numa série de televisão, cujos direitos já foram vendidos para vários países.
A Topseller orgulha-se de dar a conhecer aos leitores portugueses esta dupla maior da literatura escandinava com este Maré Viva e com Terceira Voz, o título que se lhe segue, que será publicado em novembro de 2017.

As primeiras páginas estão disponíveis para leitura imediata aqui.

domingo, 21 de maio de 2017

Novidade Saída de Emergência: "O Último dos Czares" de Robert Service


Chancela: Desassossego
Data 1ª Edição: 02/06/2017
Nº de Páginas: 480
Encadernação: Capa Mole

Sinopse
«A história trágica de um monarca apanhado desprevenido pelos ventos da revolução. 
Em março de 1917, Nicolau II, o último Czar da Rússia, abdicou e a dinastia que governara o império por mais de três séculos foi forçada a ceder o poder aos revolucionários bolcheviques.
Com acesso a documentos nunca antes investigados, incluindo os diários pessoais do próprio Czar, Robert Service, um dos mais respeitados especialistas na História russa, lança uma nova luz sobre os últimos meses da vida de Nicolau, entre a abdicação e o assassinato de toda a família a sangue-frio.
O Último dos Czares é uma investigação admirável de um homem apanhado desprevenido pela História. E revela nos o cenário social, económico e político que fermentava na Rússia após a tomada de poder bolchevique e no início da República Soviética de Lenine.»

O autor
Robert Service é um académico britânico e historiador da Rússia moderna e da União Soviética. É professor de História Russa na Universidade de Oxford e o autor de várias obras muito aclamadas sobre o passado e o presente da Rússia, com destaque para Lenin: A Biography, A History of Twentieth-Century Russia, Russia: Experiment with a People e Stalin: A Biography. O Último dos Czares: Nicolau II e a Revolução Russa é a sua mais recente obra. Vive em Londres com a esposa e quatro filhos.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Novidade Saída de Emergência: "O Assassino do Bobo" de Robin Hobb



Chancela: Saida de Emergência
Coleção: BANG
Saga/Série: Assassino e o Bobo Nº: 1
Data 1ª Edição: 19/05/2017
Nº de Páginas: 624
Encadernação: Capa Mole

Sinopse
«Tomé Texugo tem levado uma vida pacífica há anos, retirado no campo na companhia da sua amada Moli, numa vasta propriedade que lhe foi agraciada por serviços leais à coroa. Mas por detrás da sua respeitável fachada de homem de meia-idade, esconde-se um passado turbulento e de violência. Na verdade, ele é
FitzCavalaria Visionário, um bastardo real, utilizador de estranhas magias e assassino. Um homem que tudo arriscou pelo seu rei, com grandes perdas pessoais.
Até que, numa noite fatídica, um mensageiro chega com uma mensagem que irá transformar o seu mundo. O passado arranja sempre forma de se intrometer no presente, e os acontecimentos prodigiosos de que foi protagonista na companhia do seu grande amigo, o Bobo, vão voltar a enredá-lo. Se conseguirem, nada na sua vida ficará igual…»

A autora
Robin Hobb, de nome verdadeiro Margaret Astrid Lindholm Ogden, nasceu em 1952 na Califórnia. Usa o pseudónimo Robin Hobb devido às vendas pouco satisfatórias sob o nome Megan Lindholm.
Robin Hobb tem escrito histórias desde que aprendeu a escrever. Sabia desde tenra idade que queria ser escritora mas era realista o suficiente para saber que muito poucos são capazes de se sustentarem financeiramente apenas através da escrita. Todavia, lutou pelo seu sonho e preparou-se para desempenhar outras profissões enquanto se dedicava à escrita.
A série de fantasia mais popular de Robin Hobb é A SAGA DO ASSASSINO. A ideia para a trilogia surgiu num pedaço de papel que conservava numa gaveta, dizia simplesmente "E se a magia fosse viciante?" e "E se a magia fosse destrutiva ou degenerativa?". Constituída por três volumes, o enredo segue as aventuras de um assassino treinado de nome Fitz. A trilogia iniciou-se com APRENDIZ DE ASSASSINO, publicado em 1995, seguido por ROYAL ASSASSIN em 1996 e ASSASSIN'S QUEST em 1997. A SAGA DO ASSASSINO catapultou Robin Hobb para a fama e sucesso.
Robin Hobb e o marido Fred têm três filhos crescidos e um adolescente, e três netos. Como Megan Lindholm, escreveu uma série de romances de fantasia, como THE REINDEER PEOPLE e WOLF'S BROTHER.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Novidade Topseller: "Escrito na Água" de Paula Hawkins



Nº de páginas: 384
Lançamento: 2 de Maio
PVP: 18,79€

CUIDADO COM AS ÁGUAS CALMAS. 

NÃO SABEMOS O QUE ESCONDEM NO FUNDO. 

Sinopse
«Nel vivia obcecada com as mortes no rio.
O rio que atravessava aquela vila já levara a vida a demasiadas mulheres ao longo dos tempos, incluindo, recentemente, a melhor amiga da sua filha. Desde então, Nel vivia ainda mais determinada a encontrar respostas.
Agora, é ela que aparece morta.
Sem vestígios de crime, tudo aponta para que Nel se tenha suicidado no rio. Mas poucos dias antes da sua morte, ela deixara uma mensagem à irmã, Jules, num tom de voz urgente e assustado. Estaria Nel a temer pela sua vida?
Que segredos escondem aquelas águas?
Para descobrir a verdade, Jules ver-se-á forçada a enfrentar recordações e medos terríveis há muito submersos naquele rio de águas calmas, que a morte da irmã vem trazer à superfície.
Um livro profundamente original e surpreendente sobre as formas devastadoras que o passado encontra para voltar a assombrar-nos no presente. Paula Hawkins confirma, de forma triunfal, a sua mestria no entendimento dos instintos humanos, numa história com tanta ou maior intensidade do que A Rapariga no Comboio

A autora
Paula Hawkins foi jornalista na área financeira durante quinze anos, antes de se dedicar inteiramente à escrita de ficção. Nascida e criada no Zimbabué, mudou-se para Londres em 1989, onde vive atualmente.
A Rapariga no Comboio é a sua primeira obra, que imediatamente se tornou um verdadeiro fenómeno mundial, com mais de 20 milhões de livros vendidos em todo o mundo.
O filme, produzido pela Dreamworks, estreou em outubro de 2016.
Com a mesma intensidade que cativou milhões de leitores de todo o mundo com o seu romance de estreia A Rapariga no Comboio, Paula Hawkins apresenta agora uma história perturbadora, imprevisível e complexa, passada numa pequena localidade ribeirinha. Quando os corpos de uma mãe solteira e da sua filha adolescente aparecem no fundo do rio, com poucas semanas de intervalo, a investigação subsequente descobre uma história labiríntica.
Tal como em A Rapariga no Comboio, o novo romance de Paula Hawkins, Escrito na Água, apoia-se na forte consciência do que são os instintos humanos e do mal que estes podem causar.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Novidades Topseller


Romance ao Anoitecer
Tessa Dare
Nº de páginas: 320
PVP: 15,98€
Lançamento: 20 de Fevereiro

Depois da publicação da série Castles Ever After (Romance com o Duque, A Noiva do Marquês e A Prometida do Capitão), a Topseller dá continuação à publicação da obra de uma das autoras preferidas das leitoras portuguesas. Depois de Uma Noite para se Render e Sete Dias para Se Apaixonar, a nova série Spindle Cove continua em Romance ao Anoitecer.

Sinopse
«Spindle Cove é uma pacata vila onde jovens senhoras convivem e procuram manter a sua reputação intacta.
Após anos a levar uma vida solitária, a órfã Kate Taylor encontrou acolhimento e amizade em Spindle Cove, onde dá lições de música e frequenta a classe mais privilegiada da vila. Mas Kate anseia por algo mais, por conhecer o verdadeiro amor.
Até que revelações inesperadas ameaçam mudar o destino de uma donzela muito querida por todos.
Frio como o gelo, porém incrivelmente bonito, o cabo Thorne é o exemplo perfeito do tipo de homem que Kate deveria evitar. Mas o destino parece não concordar com ela. Entretanto, um grupo de misteriosos desconhecidos chega a Spindle Cove para revelar a Kate as suas verdadeiras origens. É então que, para surpresa geral, Thorne se apresenta como seu noivo.
A não ser que o anoitecer se encarregue de alterar o rumo dos seus passos.
Ele afirma que nada sente, além do dever de a proteger. Mas Kate está longe de acreditar nisso… E para Thorne conseguir convencê-la terá que manter as mãos longe do seu corpo tentador e escudar o coração daquele sorriso deslumbrante. Conseguirá este guerreiro vencer a sua derradeira batalha? Ou render-se-á ao desafio de amar pela primeira vez?»

A autora
Tessa Dare é uma autora norte-americana, bestseller do New York Times e do USA Today, que já conta com vários romances históricos publicados. Os seus livros foram alvo de vários elogios e prémios, incluindo o Prémio RITA para Melhor Romance Histórico, atribuído em 2015 pela Associação Americana de Escritores de Romance, e prémios da Amazon e das revistas Kirkus e RT Book Reviews.
A revista Booklist nomeou-a «uma das novas estrelas do romance histórico» e os seus livros já foram traduzidos para 12 línguas. Bibliotecária de formação e amante de livros, Tessa Dare vive na Califórnia com o marido e os dois filhos.
Saiba mais sobre a autora em www.tessadare.com.

As primeiras páginas estão disponíveis para leitura imediata aqui


Conta-me Três Coisas
Julie Buxbaum
Nº de páginas: 304
PVP: 17,96€
Lançamento: 20 de Fevereiro

Sinopse
«E se a pessoa de que mais precisas for alguém que não conheces?
Passaram apenas dois anos desde a morte da sua mãe e o seu pai volta a casar-se com uma mulher que conheceu online. Jessie é então forçada a mudar-se para a outra ponta do país, para morar com a madrasta e o seu pretensioso filho adolescente, aparentemente passado da cabeça.
Para Jessie tudo parece errado: sente-se uma estranha naquela casa enorme e fria, tem saudades da sua melhor (e única) amiga. A escola é uma selva autêntica, onde é vítima de bullying. Mas é então que recebe um e-mail de alguém que não conhece, nem se quer deixar conhecer, disponibilizando-lhe apenas a sua «amizade virtual». O que Jessie não espera é que será este e-mail a mudar a sua vida para sempre.
Esta é uma história memorável, que não deixa ninguém indiferente. Um misto de comédia e tragédia, amor e perda, dor e alegria.»

A autora
Três coisas sobre Julie Buxbaum:
1. Conta-me Três Coisas é o seu primeiro romance jovem adulto e foi inspirado num e-mail anónimo que a autora recebeu. Já havia escrito dois livros para adultos, que estão traduzidos em 25 línguas.
2. Vive em Los Angeles com o marido, os dois filhos e um peixe-dourado «imortal».
3. Quando era pequena acreditava que ia crescer e tornar-se a Mulher-Maravilha, uma personagem de banda desenhada.

As primeiras páginas estão disponíveis para leitura imediata aqui


O dia em que te conheci
Rowan Coleman
Nº de páginas: 320
PVP: 18,79€

Sinopse
«Quando a memória já não consegue guardar o amor… o que nos resta?
Um marido encantador, duas filhas lindas, um trabalho de que gosta — Claire Armstrong parece ter tudo, até que lhe é diagnosticada a doença de Alzheimer. Todos os que a rodeiam têm de aprender a lidar com uma nova Claire, enquanto tentam habituar-se ao desaparecimento da mulher que amam.
Através de um livro de memórias, que vão construindo em família, recolhem as peças de uma vida que não estão preparados para deixar desaparecer. Até que a relação que surge de um encontro casual com um homem misterioso leva Claire a interrogar-se sobre o futuro do seu casamento e da sua família.
Com Claire incapaz de fazer o seu casamento resultar, de tomar conta das filhas, ou sequer de garantir a sua própria segurança, os desafios são imensos. Será que a família vai resistir às notícias que a filha mais velha tem para contar e à intromissão do misterioso homem na vida familiar?»

A autora
Rowan Coleman é autora bestseller do Sunday Times e do New York Times. Além de tentar acompanhar o crescimento dos filhos e as aventuras de uma família alargada, Rowan dedica-se à escrita, sendo autora de mais de uma dezena de romances.
Os seus livros já foram traduzidos para cerca de vinte línguas. O Dia em Que Te Conheci foi selecionado para o Richard and Judy Book Club, e é o seu segundo romance publicado pela Topseller, depois de Somos Todos Feitos de Estrelas.
Saiba mais sobre a autora em www.rowancoleman.co.uk.

As primeiras páginas estão disponíveis para leitura aqui.​

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Pensamentos (6)


O actor

O actor acende a boca. Depois os cabelos.
Finge as suas caras nas poças interiores.
O actor põe e tira a cabeça
de búfalo.
De veado.
De rinoceronte.
Põe flores nos cornos.
Ninguém ama tão desalmadamente
como o actor.
O actor acende os pés e as mãos.
Fala devagar.
Parece que se difunde aos bocados.
Bocado de estrela.
Bocado janela para fora.
Outro bocado gruta para dentro.
O actor toma as coisas para deitar fogo
ao pequeno talento humano.
O actor estala como sal queimado.

O que rutila, o que arde destacadamente
na noite, é o actor, com
uma voz pura monotonamente batida
pela solidão universal.
O espantoso actor que tira e coloca
e retira
o adjectivo da coisa, a subtileza
da forma,
e precipita a verdade.
De um lado extrai a maçã com sua
divagação de maçã.
Fabrica peixes mergulhados na própria
labareda de peixes.
Porque o actor está como a maçã.
O actor é um peixe.

Sorri assim o actor contra a face de Deus.
Ornamenta Deus com simplicidades
silvestres.
O actor que subtrai Deus de Deus, e
dá velocidade aos lugares aéreos.
Porque o actor é uma astronave que 
atravessa
a distância de Deus.
Embrulha. Desvela.
O actor diz uma palavra inaudível.
Reduz a humidade e o calor da terra
à confusão dessa palavra.
Recita o livro. Amplifica o livro.
O actor acende o livro.
Levita pelos campos como a dura água do
dia.
O actor é tremendo.
Ninguém ama tão arrebatadamente como
o actor.
Como a unidade do actor.

O actor é um advérbio que ramificou
de um substantivo.
E o substantivo retorna e gira,
e o actor é um adjectivo.
É um nome quer provém ultimamente
do Nome.
Nome que se murmura em si, e agita,
e enlouquece.
O actor é o grande Nome cheio de
holofotes.
O nome que cega.
Que sangra.
Que é o sangue.
Assim o actor levanta o corpo,
enche o corpo com melodia.
Corpo que treme de melodia.
Ninguém ama tão corporalmente como o
actor.
Como o corpo do actor.

Porque o talento é transformação.
O actor transforma a própria acção
da transformação.
Solidifica-se. Gaseifica-se. Complica-se.
O actor cresce no seu acto.
Faz crescer o acto.
O actor actifica-se.
É enorme o actor com a sua ossada de base,
com as suas tantas janelas,
e ruas -
o actor com a emotiva publicidade.
Ninguém ama tão publicamente como o
actor.
Como o secreto actor.

Em estado de graça. Em compacto
estado de pureza.
O actor ama em acção de estrela.
Acção de mímica.
O actor é um tenebroso recolhimento
de onde brota a pantomina.
O actor vê aparecer a manhã sobre a
cama.
Vê a cobra entre as pernas.
O actor vê fulminantemente
como é puro.
Ninguém ama o teatro essencial como o
actor.
Como a essência do amor do actor.
O teatro geral.

O actor em estado geral de graça.


Helberto Hélder 

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Nerve: Alto Risco


Título original: Nerve
Autora: Jeanne Ryan
Nº de páginas: 344
Colecção: Jovem Adulto

Sinopse
«Quando Vee participa no NERVE, um jogo online de desafios transmitido em direto, descobre que quem controla a competição parece saber tudo acerca dela. Oferecem-lhe os prémios que mais deseja e escolhem para a sua equipa Ian, um rapaz com quem qualquer rapariga do secundário sonharia. 
Nestas condições, é quase impossível resistir. Vee aceita a primeira consequência. E depois outra. E outra. 
Se ao princípio o jogo parece emocionante (os fãs aplaudem e incitam-nos a ultrapassar desafios arriscados com apostas cada vez mais altas), aos poucos revela-se uma armadilha. Vee e Ian têm de decidir se arriscam a vida para o Grande Prémio ou se deitam tudo a perder. Será o jogo letal?»

Opinião
Nerve: Alto Risco tem como protagonista Vee, uma jovem que leva uma vida simples nos bastidores. Apesar de se sentir bem no seu meio, Vee anseia por algo mais. Atingindo o ponto da frustração, Vee consegue finalmente um motivo para passar para o primeiro plano, para as luzes da ribalta. Sem saber realmente como, vê-se envolvida numa trama de mirabolantes acontecimentos nos quais toma o papel principal - estando prestes a descobrir o preço da fama e o que esta esconde dos olhos do público.

Como obra juvenil, Nerve: Alto Risco enquadra-se perfeitamente no retrato da comunidade adolescente contemporânea. Recorrendo ao tema da tecnologia, utilizando nomeadamente a vertente das redes sociais, Ryan tece uma narrativa que expõe a dupla face deste universo. Por um lado, o esplendor e a aliciante facilidade de obter aquilo que se deseja com uma rapidez quase impensável. Por outro lado, todo este livro é um desmascarar desse deslumbramento, numa tentativa de pôr em evidência os perigos e os verdadeiros objectivos de quem se esconde por detrás dessa vasta rede tecnológica.

As personagens são absorvidas por este ambiente avassalador, não tendo por vezes espaço para crescer. Na verdade, todas elas se desenvolvem tendo em conta a premissa do jogo NERVE. Penso que, de certa forma, isso aprofunda a ideia que a autora pretende passar: que o jogo, e por sua vez, a tecnologia, retira às pessoas parte delas mesmas e, no limite, a essência humana. Apesar disso, gostava de ter encontrado personagens mais consistentes, nomeadamente Vee, narradora desta história, cujo íntimo é tocado a um nível muito superficial. O mesmo acontece com Ian, parceiro de Vee, embora essa falta de dimensão não seja tão notória pois Ian é uma personagem, neste panorama, secundária.

Um ponto bastante positivo deste livro é o facto de a acção decorrer continuamente num curto espaço de tempo. Desta forma, a vivência dos acontecimentos é mais real e a sua percepção mais nítida. Torna-se, portanto, uma leitura bastante célere em que o bombardeamento de eventos torna o ritmo alucinante, nunca tornando a leitura monótona.

A escrita em si é bastante simples e eficaz, faltando por vezes alguma profundidade que eventualmente ofereceria às personagens outra carga emocional. Não obstante, sendo evidente que este livro se destina à população mais jovem e que o mesmo vive da mensagem que pretende transmitir e não directamente das suas personagens, esse factor seria um embelezamento acessório que traria maior densidade à escrita, portanto não fundamental para o propósito aqui apresentado.

Em suma, Nerve: Alto Risco destaca o papel que a evolução tecnológica assume na nossa população e, com pertinência, vislumbra aquilo que poderá ser um futuro muito próximo caso se continue com a actual entrega da humanidade e, mais concretamente, dos adolescentes, a este viciante mundo. Com uma leitura muito acessível e personagens simples, mas reais, é um livro que entretém e deixa clara a sua mensagem: nos tempos que correm, o controlo sobre nós próprios e as nossas decisões é a maior virtude que podemos ter.