quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Harry Potter E O Prisioneiro de Azkaban


Título original: Harry Potter and the Prisoner of Azkaban
Autora: J.K. Rowling
Nº de páginas: 352
Editora: Editorial Presença
Colecção: Estrela do Mar

Sinopse
«Daquela vez Harry Potter não conseguira conter-se. Quebrara uma das regras principais de Hogwarts - não exercer técnicas de feitiçaria fora dos muros da escola. Mas aquela detestável Tia Marge merecia permanecer umas boas horas suspensa no tecto da sala dos Dursleys, inchada como um balão. Além disso já faltavam poucos dias para recomeçar as aulas. Mas o seu terceiro ano não irá ser fácil. Da prisão de Azkaban fugira o feroz Sirus Black, um dos mais fieis seguidores do assustador Lord Voldemort para o que Harry Potter continuava a ser o alvo favorito. O pior é que o herói de J. K. Rowling começa a suspeitar da existência de um traidor entre os seus próprios amigos... O regresso da personagem fantástica que está a conquistar leitores em todo o mundo numa aventura que te enfeitiçará até à última página.»

Opinião
Com os dois anos que passou em Hogwarts, Harry adquiriu a consciência de que o mundo da magia não é tão perfeito e deslumbrante como antes o idealizara. Os mistérios que os três amigos resolveram conduziram-nos a situações de perigo extremo, mas a sua astúcia e perspicácia permitiram-lhes saírem ilesos da Câmara dos Segredos e do controlo do feiticeiro mais negro de todos os tempos, Lord Voldemort. Contudo, um novo ano chega e novos perigos estão eminentes. A fuga de um horrível prisioneiro de Azkaban acerca a mente de todos os feiticeiros, incluindo Harry que tem especiais razões para o temer, tendo em conta o que todos lhe dizem. Harry é o alvo de Sirius Black.

Mesmo antes do regresso a Hogwarts, o perigo espreita. Criaturas estranhas, os Dementors, aparecem, marcando o presságio dos tempos negros que se avizinham. Harry confronta-se com pensamentos de precaução e receio, mas ao mesmo tempo a curiosidade emerge com as dúvidas existentes. Porque razão estará um temível prisioneiro que nunca antes conhecera a persegui-lo tão afincadamente? Que terá ele feito para ser tão temido? Todas as questões acumulam-se e Harry, juntamente com Ron e Hermione, tudo farão para solucioná-las e perceber o que realmente acontece. 

É neste livro que se demarca uma grande diferença relativamente aos anteriores. O tom com que está escrito preenche-se de uma tonalidade muito mais adulta. As crianças que Harry, Ron e Hermione outrora foram cresceram e principiam uma etapa mais consciente das suas vidas. No caso particular de Harry, a situação que enfrenta fá-lo aperceber-se de novas realidades. Se são boas ou más, a permanente confusão que aflora na mente de Harry não o permite esclarecer. O turbilhão de emoções que o atinge é demasiado considerável para definir uma imagem clara de todas as novidades. Porém, à medida que a narrativa evolui e que se fazem descobertas, Harry entende finalmente o propósito de toda a inquietação e encontra em si mesmo um novo eu com uma nova história, aquela que fora mantida na ignorância e no esquecimento. Quanto a Hermione, esta finalmente ganha o destaque devido. Torna-se um peça fundamental do elo que une os três. A inteligência e a perspicácia que lhe são inerentes não passam despercebidas, mas são a sua ousadia e amizade que principalmente se afirmam. Já Ron continua o mesmo companheiro afável e divertido, mas não se sobrepõe aos outros dois em relevância. É uma personagem que neste terceiro volume está mais ausente em certos momentos, por razões especiais que o impossibilitam de acompanhar os amigos.

No novo leque de personagens figuram a única e excêntrica professora de Artes Divinatórias, Sybill Trelawney, que apesar de aparentar ser uma simples figurante revela deter um conhecimento fulcral para toda a trama, o que será mais evidente no futuro. Ainda outro professor faz parte das figuras mais icónicas deste livro, Remus Lupin, professor de Defesa Contra as Artes das Trevas. Lupin, dotado de uma característica muito peculiar, é o porto de abrigo de Harry, o apoio essencial que precisa para enfrentar a escuridão que o rodeia. Além disso, esclarece-o quanto a determinadas circunstâncias que permitem ao leitor entender o curso que a história tomou e irá tomar. Existe outra personagem que não sendo humana, é uma criatura muito especial aos cuidados de Hagrid que se torna próxima de Harry.

À história é adicionado um novo conjunto de elementos que a embelezam, tornando-a mais mágica e aliciante. Surgem novas criaturas, as já referidas e ainda outras que são importantes para complementar certas personagens. Existem novos artefactos mágicos, especialmente o Mapa do Salteador que detém um papel fundamental numa descoberta surpreendente, um novo feitiço extremamente importante para Harry e ainda novos cenários com descrições breves que nos maravilham enquanto os capítulos se desvanecem rapidamente durante a leitura.


Com o desfecho final torna-se claro que Rowling sabe mesmo como criar um enredo surpreendente. Ao revelar pouco a pouco a trama e mantendo alguns segredos escondidos, permite um final bombástico, repleto de reviravoltas, revelações e acontecimentos inesperados. Todo o espírito que se esculpiu ao longo da narrativa desfaz-se e o leitor, depois de destrinçar o emaranhado entre o bem e o mal, entre o que parece e o que é, apercebe-se que afinal há muito mais que aquilo que se vê à superfície. 

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban é uma riquíssima parte da história deste feiticeiro e do mundo mágico que o rodeia. Consegue vincar, mais uma vez, que a verdadeira magia não está em feitiços ou encantamentos, mas sim em valores como a amizade, o amor e a bondade. Mais ainda, ensina-nos que a magia acontece quando sabemos reconhecer em alguém todas essas enormes qualidades.

0 comentários:

Enviar um comentário