quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Nerve: Alto Risco


Título original: Nerve
Autora: Jeanne Ryan
Nº de páginas: 344
Colecção: Jovem Adulto

Sinopse
«Quando Vee participa no NERVE, um jogo online de desafios transmitido em direto, descobre que quem controla a competição parece saber tudo acerca dela. Oferecem-lhe os prémios que mais deseja e escolhem para a sua equipa Ian, um rapaz com quem qualquer rapariga do secundário sonharia. 
Nestas condições, é quase impossível resistir. Vee aceita a primeira consequência. E depois outra. E outra. 
Se ao princípio o jogo parece emocionante (os fãs aplaudem e incitam-nos a ultrapassar desafios arriscados com apostas cada vez mais altas), aos poucos revela-se uma armadilha. Vee e Ian têm de decidir se arriscam a vida para o Grande Prémio ou se deitam tudo a perder. Será o jogo letal?»

Opinião
Nerve: Alto Risco tem como protagonista Vee, uma jovem que leva uma vida simples nos bastidores. Apesar de se sentir bem no seu meio, Vee anseia por algo mais. Atingindo o ponto da frustração, Vee consegue finalmente um motivo para passar para o primeiro plano, para as luzes da ribalta. Sem saber realmente como, vê-se envolvida numa trama de mirabolantes acontecimentos nos quais toma o papel principal - estando prestes a descobrir o preço da fama e o que esta esconde dos olhos do público.

Como obra juvenil, Nerve: Alto Risco enquadra-se perfeitamente no retrato da comunidade adolescente contemporânea. Recorrendo ao tema da tecnologia, utilizando nomeadamente a vertente das redes sociais, Ryan tece uma narrativa que expõe a dupla face deste universo. Por um lado, o esplendor e a aliciante facilidade de obter aquilo que se deseja com uma rapidez quase impensável. Por outro lado, todo este livro é um desmascarar desse deslumbramento, numa tentativa de pôr em evidência os perigos e os verdadeiros objectivos de quem se esconde por detrás dessa vasta rede tecnológica.

As personagens são absorvidas por este ambiente avassalador, não tendo por vezes espaço para crescer. Na verdade, todas elas se desenvolvem tendo em conta a premissa do jogo NERVE. Penso que, de certa forma, isso aprofunda a ideia que a autora pretende passar: que o jogo, e por sua vez, a tecnologia, retira às pessoas parte delas mesmas e, no limite, a essência humana. Apesar disso, gostava de ter encontrado personagens mais consistentes, nomeadamente Vee, narradora desta história, cujo íntimo é tocado a um nível muito superficial. O mesmo acontece com Ian, parceiro de Vee, embora essa falta de dimensão não seja tão notória pois Ian é uma personagem, neste panorama, secundária.

Um ponto bastante positivo deste livro é o facto de a acção decorrer continuamente num curto espaço de tempo. Desta forma, a vivência dos acontecimentos é mais real e a sua percepção mais nítida. Torna-se, portanto, uma leitura bastante célere em que o bombardeamento de eventos torna o ritmo alucinante, nunca tornando a leitura monótona.

A escrita em si é bastante simples e eficaz, faltando por vezes alguma profundidade que eventualmente ofereceria às personagens outra carga emocional. Não obstante, sendo evidente que este livro se destina à população mais jovem e que o mesmo vive da mensagem que pretende transmitir e não directamente das suas personagens, esse factor seria um embelezamento acessório que traria maior densidade à escrita, portanto não fundamental para o propósito aqui apresentado.

Em suma, Nerve: Alto Risco destaca o papel que a evolução tecnológica assume na nossa população e, com pertinência, vislumbra aquilo que poderá ser um futuro muito próximo caso se continue com a actual entrega da humanidade e, mais concretamente, dos adolescentes, a este viciante mundo. Com uma leitura muito acessível e personagens simples, mas reais, é um livro que entretém e deixa clara a sua mensagem: nos tempos que correm, o controlo sobre nós próprios e as nossas decisões é a maior virtude que podemos ter.

0 comentários:

Enviar um comentário