domingo, 17 de setembro de 2017

Novidade Saída de Emergência: "Margo" de Tarryn Fisher


Data 1ª Edição: 13/10/2017
Nº de Páginas: 288
Encadernação: Capa Mole
PVP: 16,60€

Sinopse
«Em Bone há uma casa. Na casa há uma rapariga. Na rapariga há uma escuridão. 
Margo não é como as outras raparigas. Ela vive em Bone, um bairro abandonado, numa casa decrépita, com a sua mãe negligente que não lhe fala há dois anos. Os dias passam e ela sente-se invisível. O seu mundo vira do avesso quando conhece o vizinho Judah Grant, preso a uma cadeira de rodas, que a ajuda a dar mais sentido à sua vida.
Um dia, a tragédia abata-se sobre a pequena comunidade quando uma rapariga de sete anos desaparece. Judah vai tentar ajudar Margo a descobrir o que aconteceu à menina, mas a revelação da verdade irá despertar uma escuridão no seu interior.
Agora Margo está determinada em descobrir molestadores de crianças, e em puni-los, um por um. Mas caçar o mal é perigoso e a jovem arrisca-se a perder tudo, incluindo a sua alma…»

A autora
TARRYN FISHER nasceu e cresceu em Joanesburgo, África do Sul. Aos 13 anos, emigrou com os seus pais para a América e passou os dezoito anos seguintes no sul da Florida, onde se formou em Psicologia, escreveu o seu primeiro romance e teve dois filhos. Em 2012, num impulso, mudou-se com a família para Seattle, Washington. Tarryn é a fundadora de Guise of the Villain, um blogue de moda, e já publicou dez romances.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Grupo 20|20 Editora: Novidades Rentrée 2017





SETEMBRO


ELSINORE

Primeiros romances e romances consagrados; contos épicos e ódios poéticos; clássicos intemporais e tempo para novos clássicos; prémios Nobel e outros prémios mais; literatura dos Estados Unidos da América, do Reino Unido, da Argentina e da Dinamarca; não ficção atual, a publicada agora e a recuperada para novos olhares sobre a guerra. Na rentrée da Elsinore, a garantia de grandes livros. Entre nós e as palavras, leituras inesquecíveis.

Depois de Vozes de Chernobyl, A Guerra não Tem Rosto de Mulher e Rapazes de Zinco, a Elsinore prossegue a edição das obras de Svetlana Alexievich, Prémio Nobel de Literatura de 2015. Publicado inicialmente em 1985, As Últimas Testemunhas é um retrato inesperado da II Guerra Mundial, como também era o apresentado em A Guerra não Tem Rosto de Mulher. Desta vez a perspetiva é a das crianças que viveram a Guerra Patriótica da União Soviética contra a Alemanha Nazi, que em 1941 quebrou o Pacto de Não-Agressão e invadiu a Rússia. São cem histórias sem infância, tocantes e impiedosas, vividas num conflito que o olhar inocente da idade não soube entender. Estima-se que na II Guerra Mundial morreram três milhões de crianças. «Alcançámos aquela linha… aquele limiar…», desabafa um dos entrevistados por Svetlana Alexievich, 40 anos depois. «Somos as últimas testemunhas. O nosso tempo está a chegar ao fim… Devemos falar…».

No campo do ensaio, mais duas obras igualmente surpreendentes. Em Ódio à Poesia, o poeta e ensaísta norte-americano Ben Lerner tenta perceber por que razão a arte poética, o poema e o verso desencadeiam reações tão negativas junto dos leitores. «Poesia: que espécie de arte acomoda o desagrado do seu público e que espécie de artista se alinha em defesa de tal desagrado, até mesmo encorajando-o?», questiona-se Ben Lerner. A resposta possível surge nesta centena de páginas, que recolhem exemplos na História da Literatura e na sua experiência autoral.

Com o seu estilo inconfundível – lúcido e provocatório –, Slavoj Žižek escreve sobre o que simboliza hoje, cem anos depois, a figura do principal líder da Revolução Russa e o impacto da sua doutrina ao longo do século XX. Lenine 2017 reúne dois grandes estudos do filósofo esloveno (um a abrir, o outro a fechar) e um conjunto de escritos do próprio Lenine (ensaios, memorandos e cartas). 

Merecedor de destaque é também a reedição, em setembro, dos dois ensaios de Yuval Noah Harari publicados pela Elsinore. Sapiens: História Breve da Humanidade e Homo Deus: História Breve do Amanhã figuram há meses nas principais listas de bestseller e chegam agora, respetivamente, à sexta e à terceira edições.

Na ficção, dois romances de língua inglesa. De Inglaterra, o quinto (e mais recente) romance de Helen Oyeyemi, autora da coletânea de contos O Que não É Teu não É Teu (Elsinore, 2016). Rapaz, Neve, Ave é a surpreendente recriação do conto infantil A Branca de Neve, transposto para uma pequena cidade do Massachusetts. Dos Estados Unidos da América, Um dos Nossos é o primeiro (e aclamado) romance de Daniel Magariel, história centrada na relação claustrofóbica e violenta de um pai com os seus dois filhos.


CAVALO DE FERRO

Livros resgatados ao esquecimento, reedição de clássicos da Literatura Mundial e apostas em grandes autores da América Latina e do norte e centro da Europa marcam a rentrée da Cavalo de Ferro. Adolfo Bioy Casares, Alexander Kielland, Elias Canetti, Halldor Laxness, Ivo Andrić, Juan Rulfo, Julio Cortazár, Luigi Pirandello, Magda Szabó, Marc Ferro, Mark Twain e Urbano Tavares Rodrigues: ler estes autores pode causar independência. De espírito. E de pensamento.

Elias Canetti é um dos autores em destaque na rentrée de 2017 da Cavalo de Ferro. Logo em setembro são lançados dois dos mais significativos títulos do romancista e ensaísta de origem búlgara, nascido em 1905 e falecido em 1994. Massa e Poder, agora em segunda edição, foi considerado em 2014 um dos livros do ano pelos jornais Expresso e Público. Para analisar o homem e a sociedade ao correr dos séculos, Elias Canetti conjuga várias áreas do saber, desde os mitos às posturas corporais do homem, passando pela inflação e o moderno sistema parlamentar. Igual erudição sobressai em A Consciência das Palavras, coletânea de ensaios em que Canetti passa em revista autores de referência da Literatura, Filosofia e Política do século XX. 

Na ficção, três escritores de peso. Julio Cortázar, com Octaedro, um dos livros de contos mais emblemáticos do escritor argentino (e o sexto publicado pela Cavalo de Ferro, a que se soma o romance O Jogo do Mundo / Rayuela e os volumes Aulas de Literatura, Papéis Inesperados e A Volta ao Dia em 80 Mundos). Como o próprio título sugere, reúne oito histórias curtas. Nos interstícios da realidade nascem aventuras improváveis: um rosto refletido numa janela que desencadeia um sentimento amoroso, mortos que voltam a morrer, personagens irreais que procuram dolorosas mentiras. Publicado originalmente em 1974, está inédito em Portugal. 

O centenário do nascimento de Juan Rulfo tem sido um excelente pretexto para se regressar à obra de um dos mais influentes escritores do século XX. Depois do relançamento de Pedro Páramo e A Planície em Chamas, já nas livrarias, em setembro será publicada a edição mais recente, completa e rigorosa de O Galo de Ouro, com fixação do texto corrigida pela Fundação Juan Rulfo. O volume é enriquecido com vários ensaios introdutórios. 

Com A Porta a Cavalo de Ferro dá início à publicação dos romances de Magda Szabó, nome central da Literatura Húngara, de quem também se celebra, em 2017, o centenário do seu nascimento, os dez anos da sua morte e os trinta desta ficção. A Porta foi a obra que projetou Magda Szabó internacionalmente no início dos anos 2000, em parte devido ao Prémio Fémina que recebeu em França. A recente tradução inglesa, prefaciada por Ali Smith, voltou a chamar a atenção para esta escritora singular que chegou a ser considerada «inimiga do Estado» por não seguir o Realismo Social imposto pelo regime, acabando impedida de publicar durante dez anos. Escrito em tom confessional e vagamente autobiográfico, A Porta narra a estreita relação que se estabelece entre duas mulheres na Hungria do pós-guerra: Magda, uma jovem escritora, e a sua empregada, Emerence, uma camponesa analfabeta.


TOPSELLER 

Thrillers, Ficção Romântica e Erótica e Literatura Fantástica. Um cocktail de géneros para todos os gostos e sentidos.
Primeiro romance da jornalista Charlie Jane Anders editado em Portugal, Os Pássaros do Fim do Mundo foi considerado um dos melhores livros do ano pela Kirkus Reviews, Time Magazine, Washington Post e Amazon.com. Um livro que oferece uma exploração humorística e, por vezes, comovente sobre crescer num mundo cheio de crueldade, ingenuidade científica e magia.

Estreia também para a britânica C. L. Taylor, autora de thrillers psicológicos traduzidos em mais de 20 línguas. Em Fuga é um thriller perturbador e vertiginoso, onde um simples pedido de boleia se irá transformar, rapidamente, num pesadelo.

Do carro, para o comboio, saltamos para o primeiro livro do catálogo no género Terror, e o primeiro editado sob a nova subchancela da Topseller, pensada para o público jovem adulto, Topseller#Bliss. O Comboio Errado, do britânico Jeremy de Quidt, é um livro inovador e de provocar arrepios. «É tarde. Está escuro. Um rapaz apressa‑se para apanhar o comboio, entrando a bordo um segundo antes da partida. De repente, percebe que está no comboio errado. Fica irritado, compreensivelmente, mas não fica assustado. O rapaz sai na estação seguinte, mas a plataforma está completamente vazia, e não se parece com nenhuma outra estação que ele já tenha visto. Mas o rapaz continua a não estar assustado. Então, um estranho aproxima‑se… alguém com histórias para contar e ajudar a passar o tempo. Mas estas não são como as velhas histórias. Estas histórias são pesadelos, e vêm com um alto preço a pagar.».

Também presença inédita no catálogo, Benjamin Alire Saénz oferece, em A Lógica Inexplicável da Minha Vida, um olhar intenso sobre a vida emocional dos jovens na entrada para a idade adulta. Alire Saénz é um aclamado poeta e um escritor multipremiado, e os seus livros já lhe valeram, entre outras distinções, o American Book Award, o PEN/Faulkner Award, o Stonewell Award e o livro de honra do Michel L. Print Award.

Para os amantes da literatura fantástica, Normal é o livro a não perder. «Normal olha para o abismo e encontra o futuro.» - The New York Times. Warren Ellis é um escritor, guionista e autor de banda desenhada inglês. Tornou-se conhecido no mundo da banda desenhada, tendo criado séries como Transmetropolitan, Global Frequency ou Red. Mas a sua produção neste universo não se ficou por aí, tendo trabalhado frequentemente com a Marvel. Além de ter escrito para os X-Men ou para os Thunderbolts, também foi o autor da série Extremis, que serviu de inspiração ao filme Iron Man 3. Bastante conhecido pelo seu comentário sociocultural, tanto online como através dos seus escritos, também tem créditos firmados na televisão e na escrita de videojogos. Este é o primeiro livro publicado em Portugal.

Em setembro, chegam ainda às livrarias, entre outros: Jennifer Ashley, com A Mulher Perfeita para o Duque (Ficção Romântica), Lisa Renee Jones, com Perdida em Mim (Romance Erótico), Coleen Oakley, com Perto de Mais (Ficção Romântica), James Patterson, com Private Paris (Policial), Elizabeth Chadwick, com Leonor de Aquitânia: O Trono do Outono (Romance Histórico)


VOGAIS

Setembro é um mês no qual as obras de não-ficção ganham especial relevo, com destaque para: Vidas Frágeis, Delírio Total: Hitler e as Drogas no Terceiro Reich, Os Diários da Princesa, de Carrie Fisher, e Miguel& Sinatra: Uma Amizade Especial.

«Espantoso, cativante, convincente. A história por contar da relação do Terceiro Reich com as drogas, incluindo cocaína, heroína, morfina e, sobretudo, metanfetaminas. Altera o que pensávamos saber sobre a Segunda Guerra Mundial.» — The Guardian; «Fantástico e energético. Reconta a história da guerra pelo prisma de um comprimido. Tem a capacidade incomum de perturbar.» — The Times

Delírio Total: Hitler e as Drogas no Terceiro Reich, de Norman Ohler, é um dos livros mais cativantes de não-ficção editados em 2017, em Portugal. Romancista premiado, argumentista e jornalista alemão, Ohler passou cinco anos a pesquisar para Delírio Total em numerosos arquivos na Alemanha e nos Estados Unidos, e falou com testemunhas, historiadores militares e médicos. Delírio Total: Hitler e as Drogas no Terceiro Reich é, por isso, o resultado de uma investigação meticulosa que expõe uma perspetiva surpreendente da Segunda Guerra Mundial: a elevada dependência de drogas da Alemanha nazi. «O regime nazi pregava uma ideologia de pureza física, mental e moral. Mas, como Norman Ohler revela nesta envolvente história baseada em fontes até agora inéditas, o Terceiro Reich estava saturado de drogas: cocaína, opiáceos e, sobretudo, metanfetaminas, usadas por toda a gente — de operários fabris a donas de casa — e vitais para a resistência das tropas, explicando, em parte, o rápido avanço e a vitória alemã em 1940. O uso promíscuo de drogas, inclusive ao mais alto nível, também afetou a tomada de decisões, com Hitler e o seu séquito a refugiarem-se em cocktails de estimulantes potencialmente letais, administrados pelo médico Theo Morell, incapazes de reverter o curso da guerra, que se virava contra a Alemanha. Embora as drogas por si só não possam explicar as tóxicas teorias raciais dos nazis ou os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial, esta descoberta leva-nos a ver os crimes de guerra cometidos contra a humanidade a uma nova luz. Delírio Total é, assim, uma peça crucial para entendermos a História mundial.

Carrie Fisher, a eterna Princesa Leia na série Star Wars, faleceu em Dezembro de 2016, deixando uma legião de fãs do cinema, e da Saga Star Wars em particular, em estado de choque. Mas antes de partir, Carrie Fisher deixou este divertido, hilariante e memorável Os Diários da Princesa, livro que proporciona uma visão perspicaz do tipo de estrelato que poucos alguma vez viverão. 


«Passei tantos anos a não contar que eu e o Harrison tivemos um caso durante o primeiro filme Star Wars, que é difícil saber exatamente como contá‑lo agora.» Quando Carrie Fisher descobriu os diários que manteve durante as filmagens do primeiro Star Wars, ficou surpreendida com o que encontrou: poemas lamurientos, meditações ingénuas, e uma vulnerabilidade que mal conseguiu reconhecer. Hoje, a sua fama enquanto autora, atriz e ícone da cultura pop é indiscutível, mas, em 1977, Carrie era uma adolescente com uma paixão pelo seu coprotagonista, Harrison Ford. Os excertos partilhados n’Os Diários da Princesa são uma lembrança íntima e reveladora do que aconteceu no set de um dos mais famosos filmes de sempre — e o que se passou nos bastidores. É também uma reflexão sobre as alegrias e a loucura da celebridade, e o absurdo de uma vida nascida na realeza de Hollywood, ultrapassada pela sua própria realeza numa galáxia distante.

Vidas Frágeis, um livro poderoso e incrivelmente tocante, que proporciona uma visão excecional de como é sentir o coração de alguém nas mãos. O autor, Stephen Westaby, é reconhecido por ter sido o primeiro cirurgião cardiotorácico a adaptar um novo tipo de coração artificial para um paciente, mostrando que os humanos não necessitam de pulsação na sua circulação. Durante a carreira trabalhou nos mais reputados hospitais e operou mais de 11 mil corações. O equilíbrio entre a vida e a morte é delicado, e um cirurgião cardiotorácico caminha na corda bamba entre os dois. Na sala de operações não há tempo para dúvidas. Um dia mau pode ter consequências terríveis — um deslize da mão mede-se em vidas humanas. A cirurgia cardíaca não é para corações fracos. Stephen Westaby, que assumiu riscos e testou os limites da cirurgia cardíaca, abre o seu coração nestas impressionantes memórias e partilha alguns dos casos mais extraordinários da sua carreira — como o bebé que sofreu múltiplos ataques cardíacos aos seis meses, a mulher que viveu o pesadelo de estar presa no seu próprio corpo, e o homem cuja vida foi mantida por uma bateria durante oito anos. «Mais um dia no escritório para mim; o fim do mundo para eles.»

Miguel&Sinatra: Uma Amizade Especial é, também ele, um livro especial. A vida de Miguel podia ser mais uma história de amizade entre uma criança e o seu cão. Mas é muito mais do que isso. A vida de Miguel é uma emotiva história de superação aqui contada pela mão da jornalista Mónica Menezes e por relatos na primeira pessoa dos pais e de outros protagonistas que contribuíram para que Miguel seja, hoje, feliz. O crescimento de Miguel assemelhava-se ao das outras crianças, até ao dia em que deixou de falar. A procura de respostas para o que se estaria a passar com Miguel chocou com a palavra «autismo». A determinação dos pais Mafalda e Daniel e o apoio de Sinatra, treinado para ser o primeiro cão de assistência em Portugal de uma criança autista, foram fundamentais para a recuperação de Miguel. Por isso, este não é um livro sobre autismo. É a história de como o amor de um cão pode mudar a vida de uma criança.


NASCENTE

LAGOM (pronuncia-se law-gum) não é apenas uma palavra difícil de pronunciar. É o segredo que explica o estilo de vida dos suecos: consciência social, moderação e sustentabilidade: a medida exata, o valor justo, o suficiente. Uma forma de ver a vida que tornou a Suécia, segundo o Fórum Económico Mundial, o melhor país em praticamente tudo. Conhecido como o país do leite meio-gordo, a Suécia desenvolveu um estado social invejável, com apoios parentais generosos e níveis de corrupção excecionalmente baixos. Lagom: A Arte Sueca para uma Vida Equilibrada é um livro prático onde todos podem aprender esta filosofia de vida. É caso para dizer: Adeus, Hygge. Olá, LAGOM.

E, mantendo o tema da frugalidade, há mesmo quem defenda que é no minimalismo que encontramos a felicidade. Fumio Sasaki nasceu em 1979, em Kagawa, no Japão. É coautor do blogue Minimal & ism, sobre o minimalismo, e vive segundo os seus preceitos, num apartamento de 22 metros quadrados, em Tóquio, mobilado apenas com uma pequena caixa de madeira, uma secretária e um colchão desdobrável. Sasaki não é um guru do minimalismo, é apenas uma pessoa normal que levava uma vida stressante e se martirizava com a constante comparação com os outros. Até que um dia decidiu mudar de vida, dizendo adeus a todas as coisas que acumulou durante anos, mas das quais efetivamente não precisava. Em Adeus Coisas, o autor partilha a sua experiência pessoal com o minimalismo, revelando dicas sobre o processo e mostrando como este movimento pode transformar o nosso espaço e, principalmente, enriquecer a nossa vida.


OUTUBRO


ELSINORE

Em outubro, três ficções de outras tantas geografias e idiomas. How To Be Both, o romance mais galardoado de Ali Smith, que recebeu o Baileys Women's Prize for Fiction, o Goldsmiths Prize e o Costa Book Awards, tendo sindo finalista do Folio Prize e do Man Booker Prize. Nele se confrontam as perspetivas muito diversas de duas personagens: a de uma rapariga de 16 anos da Cambridge dos nossos dias e a do pintor renascentista Francesco del Cossa. 

De Samantha Schweblin, o seu primeiro romance, Distância de Segurança. Nascida em Buenos Aires, em 1978, a escritora argentina começou por se destacar no conto, enquanto herdeira e renovadora dos grandes mestres do seu país (Jorge Luís Borges e Julio Cortázar). Distância de Segurança é um romance de mães e filhos, terrores e almas transmigradas, tudo cosido com uma força narrativa que conquista do leitor desde a primeira página.

Da Dinamarca chega o terceiro romance de Josefine Klougart. Um de Nós Dorme foi finalista do Nordic Council Literatura Prize e muito bem-recebido pela crítica. Perda, dor, lamento, esperança e redenção conjugam-se numa viagem pela vida de uma mulher. Sem cronologia linear, vai do presente para a sua infância, das paixões à maternidade.

Na área da não-ficção, a Elsinore lança em outubro O Que se Vê da Última Fila, de Neil Gaiman. Conhecido pelas suas inúmeras criações no romance, cinema e BD, Gaiman revela-se um espectador apaixonado e um crítico arguto. Esta coletânea de textos dá ainda a conhecer as suas paixões, influências e opções artísticas, com passagens por Bradbury, Dave McKean, Lou Reed, Lovecraft, Poe, Rudyard Kipling, Stephen King, Tolkien e Wells. 


CAVALO DE FERRO

Em mês de outro centenário – o da Revolução Russa de 1917 – a Cavalo de Ferro recupera Viagem à União Soviética, de Urbano Tavares Rodrigues, publicado em 1973 (primeira e segundas edições) e 1974 (terceira edição, depois do 25 de Abril) e desde então esquecido. «Não tenho, nem de longe, ao publicar este livro, a pretensão de conhecer bem a União Soviética. Limito-me a transmitir um pouco do que vi, ouvi, li, senti numa viagem de três semanas – de Moscovo e Leninegrado à Sibéria Oriental e à Ásia Central. Informações forçosamente limitadas, impressões forçosamente subjetivas», escreve o escritor na apresentação. Nestas páginas lê-se a crónica de uma descoberta, de um entusiasmo (com a ideologia comunista), de uma lucidez (na observação) e de uma enorme independência de espírito. O volume é prefaciado por José Neves, historiador e estudioso do século XX. 

Outubro é, de resto, mês para grandes reedições, incluindo as de três autores distinguidos com o Prémio Nobel de Literatura: Ivo Andrić, com A Ponte sobre o Drina; Halldór Laxness, com Gente Independente e O Sino da Islândia; e Luigi Pirandello, com Um, Ninguém e Cem Mil. 

De regresso às livrarias estará ainda Adolfo Bioy Casares, engenhoso escritor argentino, um dos mais importantes do século XX, vencedor de inúmeros prémios nacionais e internacionais. Novas edições de O Sonho dos Heróis e Plano de Evasão. De Alexander Kielland, nome maior da Literatura Escandinava, a Cavalo de Ferro publica Garman & Worse – Um romance norueguês. Anticlerical, pró-feminista, crítico e cheio de sentido de humor, este romance – o primeiro do autor – retrata duas famílias e as suas relações humanas e sociais. 


TOPSELLER

Depois do grande ecrã, as aventuras da super heroína da DC Comics Mulher-Maravilha chega aos livros pela escrita da autora bestseller Leigh Bardugo. «Batalhas cinematográficas e uma corrida contra o tempo mantêm o entusiasmo bem alto, mas a relação entre as raparigas, a forma como se protegem, é o que faz este livro brilhar.» - Kirkus Reviews

Sem batalhas épicas, mas com muito amor no ar, chegam às livrarias os romances Estou Aqui, da autora francesa Clélie Avit, traduzido em mais de 25 países, e A Livraria dos Destinos, da britânica Veronica Henry. Matt Haig vai surpreender com o muito elogiado Como Parar o tempo, já vendido para 24 países. O autor britânico foi jornalista e colaborou em diversas publicações, nomeadamente o Guardian, Sunday Times e Independent. Vários livros seus foram adaptados ao cinema e conquistaram prémios, bem como os elogios da crítica e dos leitores. Como Parar o tempo é uma história original e emocionante sobre perder e encontrar-se e sobre os erros que estamos condenados a repetir. É sobre as vidas que podemos levar a aprender a viver. E o desejo de esquecer.

O Policial e o Thriller, géneros tão caros aos leitores portugueses, estarão muito bem representados pela americana Riley Sager, com o super elogiado Vidas Finais: As Sobreviventes, pelo sueco Håkan Nesser, com A Próxima Vítima, o multipremiado islandês Ragnar Jónasson, com Noite Cega, e o britânico M.J. Arlidge, com Mal Me Quer.


VOGAIS

A ressalva é feita logo no título: Isto Não É Um Livro de Receitas. Depois de Com o Humor Não Se Brinca, livro que reúne entrevistas aos principais humoristas portugueses e que resultou no podcast mais popular da atualidade, o jornalista Nelson Nunes volta à carga, desta vez com um livro que reúne conversas com vários chefs portugueses, ou a trabalhar em Portugal, todos galardoados com estrelas Michelin. Susana Felicidade, Rui Paula, José Avillez, Henrique Sá Pessoa, Marlene Vieira, Vítor Sobral e tantos outros chefs levam-nos até ao fascinante mundo da gastronomia que se pratica em Portugal, revelando as suas técnicas, preferências e rivalidades. Repleto de histórias pessoais sobre o percurso e o pensamento dos grandes chefs portugueses, este livro desvenda as bases fundamentais para a criação gastronómica e aborda com total clareza o processo de criação de um prato de autor. Através de conversas com os chefs, Nelson Nunes dá-nos a conhecer as suas carreiras — o momento da descoberta, a aprendizagem, os mentores, os grandes êxitos — e revela tudo o que pensam sobre a alta cozinha e de como alcançar — e manter — uma Estrela Michelin.

Holocausto: Uma Nova História. Perde-se a conta aos livros que já foram escritos sobre o Holocausto. A credibilidade do autor revela-se, por isso, essencial no momento da escolha. Laurence Rees, que passou 25 anos a entrevistar sobreviventes e responsáveis pelo Holocausto, é um dos poucos a quem se pode atribuir genuína fiabilidade nos factos que apresenta. Elogiada pelos pares, a nova obra do historiador britânico, Holocausto: Uma Nova História, conjuga esses testemunhos com a mais recente pesquisa académica sobre o tema, apresentando o primeiro relato acessível e fidedigno do Holocausto em mais de três décadas. Nesta verdadeiramente nova e inédita história do Holocausto, Rees cria uma narrativa vertiginosa que contém testemunhos nunca antes divulgados, enquadrando-os no contexto da análise do processo de decisão do Estado Nazi. Contudo, não cinge o seu estudo ao universo alemão, abrangendo todos os protagonistas que participaram nas perseguições e mortes e espalharam o horror por todo o continente europeu, não apenas entre os judeus, mas incluindo homossexuais, ciganos e deficientes.


ELSINORE

Mais ficção no final do ano editorial da Elsinore. A Dança do Rapaz Branco, de Paul Beatty, autor de O Vendido, vencedor do Man Booker Prize do ano passado. Neste primeiro romance do escritor norte-americano já estão presentes os ingredientes que o têm singularizado no contexto da Literatura anglo-saxónica: escrita versátil, do erudito ao calão, humor subtil e inesperado, e uma atenção especial aos temas da raça e da condição afro-americana. Num passe de dança, um rapaz muda-se de Santa Monica para Los Angeles e do anonimato para a fama. Mas, como se sabe, nada dura para sempre. 

Também do universo anglo-saxão, mas do País de Gales, Cynan Jones volta a mostrar a sua delicadeza literária em A Baía. Apanhado numa tempestade e fulminado por um relâmpago, um homem tenta regressar a terra e perceber quem é. Parágrafos curtos, frases esculpidas, indagação da alma.

Antes do seu primeiro romance, Yoro, vencedor do prestigiado Premio Sor Juana Inés de la Cruz, da Feira Internacional do Livro de Guadalajara, Marina Perezagua lançou dois volumes de contos, Criaturas Abisales e Leche, que estão na base da antologia que a Elsinore publicará em novembro. Histórias curtas de amor e ódio, desejos e medos ancestrais. 

Por último, no ensaio, o olhar sempre esclarecido e conhecedor de Noam Chomsky sobre os desafios do nosso tempo. A ascensão do neoliberalismo, a crise dos refugiados e as últimas eleições americanas são alguns dos temas abordados nas entrevistas reunidas em Optimism over Despair.


CAVALO DE FERRO

A duração imprevista da Primeira Grande Guerra, a afirmação do nazismo, o extermínio dos judeus, o Maio de 68, a queda do Comunismo, os ataques de 11 de Setembro de 2001, a crise financeira do subprime de 2008, a ascensão do islamismo radical: por que razão somos tão cegos perante a realidade? Os indícios estão lá, mas o olhar não atenta. É sobre esta incapacidade de ler o passado, o presente e o futuro que se debruça Marc Ferro, um dos grandes historiadores do nosso tempo, que fez a sua formação na École des hautes études en sciences sociales e na Revue des Annales, instituição e publicação que veio mais tarde a dirigir. A Cegueira propõe uma outra história do nosso mundo para percebermos por que razão assistimos incrédulos ao despoletar de crises, ao eclodir de tragédias e ao desenrolar de convulsões sociais, sem que líderes políticos e cidadãos comuns consigam ver e interpretar os factos que, contudo, se repetem diante dos seus olhos.

O destaque dado à obra de Elias Canetti é retomado em novembro com o primeiro volume da trilogia A Língua Resgatada. Relato autobiográfico, dá a conhecer a educação típica de um jovem nascido numa família de judeus sefarditas. O cruzamento de incidentes privados e acontecimentos mundiais faz deste livro um autêntico fresco das primeiras décadas do século XX. 

Excertos dos Diários de Adão e Eva, reunião de dois divertidos contos humorísticos de Mark Twain, encerra o ano editorial da Cavalo de Ferro.


TOPSELLER

Depois de Fialho Gouveia, Biografia Sentimental, homenagem a seu pai, e os bem-sucedidos romances históricos D. Francisca de Bragança, A Princesa Boémia, As Lágrimas da Princesa, Inês, Sob os Céus do Estoril e Um Romance entre Espiões no Estoril da II Grande Guerra, Maria João Fialho Gouveia, inspirada num dos mais importantes episódios da História política de Portugal, traz-nos Maria da Fonte, Rainha do Povo. 

O acontecimento histórico em si e a incógnita da identidade desta figura quase mítica, tem perdurado na memória popular e a sua recordação inspirado a imaginação poética. Maria João Fialho Gouveia, após cuidada investigação, viaja no tempo e oferece uma visão romanceada de Maria da Fonte, num estilo de escrita cuidada que a torna, hoje, uma referência do género em Portugal.

Chris Carter e Tom Fox regressam com novos e intensos thrillers e a temperatura vai aquecer com novo romance erótico de Lisa Renee Jones. Novos nomes na literatura fantástica, romântica e traduzida vão encerrar o ano editorial com boas surpresas. 


VOGAIS

O espaço nas prateiras, das lojas e das cozinhas, nunca é demais para sugestões de fazer crescer água na boca. Aqui ficam algumas que vão fazer as delícias de miúdos e graúdos: Snacks Energéticos; Dieta Alcalina: Plano para uma Vida Mais Saudável; Grão a Grão: Técnicas e Receitas para Cozinhar com Super Grãos; 500 Receitas com Poucos Hidratos; 500 Receitas para as Crianças Fazerem; A Cura Alcalina: O Plano alimentar Rejuvenescedor em Apenas 14 dias. 


INFANTOJUVENIL ­— SETEMBRO | OUTUBRO | NOVEMBRO

FÁBULA

Coleções com vários tesouros, muitos livros encantados e obras para a vida inteira. A rentrée da Fábula faz-se com o poder inspirador da Literatura. Página a página, histórias para imaginar, descobrir e voar.

Um dos grandes destaques é o lançamento de um clássico da literatura infantil, escrito e ilustrado por Judith Kerr, uma das autoras mais admiradas e populares no Reino Unido. Mog é uma coleção dirigida ao público pré-escolar, protagonizada por uma gata muito distraída e brincalhona. Até novembro serão editados quatro títulos: Mog, a Gata Esquecida, Mog e o Bebé, Mog e o Coelhinho e O Natal da Mog.

Nesta rentrée, a Fábula prossegue a publicação de outro nome maior da literatura infantil, Dr. Seuss, autor publicado em mais de 30 línguas. Oh, Até onde tu podes chegar foi a último obra que o escritor norte-americano publicou em vida. Pela sua mensagem inspiradora transformou-se no livro que se oferece a todos os finalistas do ensino secundário dos EUA. De Dr. Seuss, vencedor de inúmeros prémios, incluindo o Pulitzer, publica-se ainda Um Peixe, Dois Peixes, Peixe Encarnado, Peixe Azulado, com rimas e brincadeiras à volta de animais de todos os feitios.

Na coleção «Tesouros da Literatura», que tem como objetivo recuperar grandes clássicos de autores nacionais e estrangeiros, quatro obras de todos os tempos e para todas as idades: Contos Escolhidos de Oscar Wilde; Peter Pan, de J. M. Barrie, As Aventuras de Tom Sawyer, de Mark Twain, e Annie, de Thomas Meehan.

Mais lançamentos, também, na coleção Pé de Pato, dedicada a textos curtos para pequenos leitores (contos, fábulas, poemas, lengalengas, rimas e adivinhas). Há Dias Assim, de Margarida Fonseca Santos, com uma história sobre os laços fortes que se criam entre homens e animais; Giganteiras Miniaturas, de José Dias Pires, com criaturas fantásticas e surpreendentes; e Vinte Fábulas de La Fontaine, de José Jorge Letria, com a recriação de algumas histórias muito conhecidas do escritor francês.

De regresso às livrarias, a série Matilde, de Mary Katherine Martins e Silva, vai continuar a acompanhar o crescimento dos mais novos. Depois dos primeiros quatro números da coleção, lançados no primeiro semestre, saem nos próximos meses dois livros: Matilde Descobre a Arte e Matilde Tem Muitos Amigos. Cada volume incluiu um guia para pais, escrito pela autora, com sugestões para uma abordagem mais divertida e interativa da história.

Entre muitos outros lançamentos, destaque-se, ainda, Ter um Irmão É, de Lara Xavier (textos) e Paulo Galindro (ilustração), que surge na sequência de Ter uma Irmã É, editado em maio deste ano. O espanto, a amizade e rivalidade entre irmãos continua, agora com novas aventuras. E os álbuns ilustrados O Urso e o Piano, de David Litchfield, e Há um Tigre no Jardim, de Lizzy Stewart, ambos vencedores do Prémio de Melhor Livro Ilustrado da Waterstones. 


BOOKSMILE

Viajamos já até novembro para anunciar um dos grandes lançamentos de 2017. Dia 07 de Novembro chega às livrarias o 12.º livro de O Diário de um Banana, coleção muito perto de atingir o redondo número de 1 milhão de exemplares em Portugal. O Diário de um banana 12: Põe-te a Milhas irá, sem dúvida, escalar o Top de vendas nacional, à semelhança do que tem acontecido nos últimos anos. Afinal de contas, o Greg rula!

E se o Greg decide pôr-se a milhas, já O Bando das Cavernas diz presente. Com o lançamento de O Bando das Cavernas 19: Que Susto!, a coleção imaginada por Nuno Caravela (texto e ilustração) tem-se revelado um verdadeiro sucesso entre as crianças, somando já 240 mil exemplares. Entre muitos outros lançamentos, LEGO, As Aventuras da Ladybug e Minecraft são algumas das importantes licenças que também ganham vida nos livros até ao Natal. Com carimbo português, chegam ainda às livrarias Aqui dél Rei: Todos os Reis de Portugal num Só Livro, de Paula Fernandes, e Vamos Conhecer os Alimentos, da nutricionista Mariana Abecasis.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Novidade Editorial Presença: "Vitória - A Jovem Rainha" de Daisy Goodwin



Coleção: Grandes Narrativas
Nº na Coleção: 671
Data 1ª Edição: 17/08/2017
Nº de Páginas: 424

Sinopse
«Com apenas dezoito anos, Vitória torna-se rainha da mais poderosa nação do mundo. 
Mas será monarca de pleno direito ou uma marionete nas mãos da mãe e do sinistro Sir John Conroy? Conseguirá esta jovem frágil fazer-se respeitar por homens como o seu tio, o Duque de Cumberland, que consideram as mulheres demasiado histéricas para governarem? Todos querem vê-la casada, mas Vitória não tenciona casar por conveniência com o seu primo Alberto, um tímido devorador de livros, que nem sequer sabe dançar. Ela prefere reinar sozinha, apoiada pelo seu Primeiro-Ministro, Lord Melbourne, com idade suficiente para ser seu pai, mas o único que consegue fazê-la rir e que acredita que ela virá a ser uma grande rainha.
Vitória - A Jovem Rainha é um romance histórico, com enorme atenção ao detalhe e uma pesquisa que parte da correspondência e diários da própria rainha. Daisy Goodwin é também a autora do argumento da série televisiva Vitória.»

A crítica
«A pesquisa e a atenção ao detalhe, desde o protocolo ao vestuário, são irrepreensíveis e dão vida à rainha Vitória, uma figura histórica formidável.» - Sunday Mirror

«Irresistível. Um romance histórico rico e apaixonante.» - Publishers Weekly

«Daisy Goodwin consegue criar suspense a partir da vida íntima da rainha Vitória tal como esta se nos apresenta na sua correspondência e diários, e faz jus à inteligência e independência que fizeram dela uma das maiores monarcas da história.» - The Times

A autora
Daisy Goodwin nasceu no Reino Unido, em 1961. É uma especialista em temas do século XIX, sendo autora do argumento de Victoria, a série televisiva de grande audiência exibida em mais de 140 países. Como romancista, estreou-se com A Última Duquesa, após o que publicou The Fortune Hunter, obras que alcançaram grande sucesso internacional. Vitória - A jovem rainha é o seu terceiro romance, tendo-lhe granjeado rasgados elogios da crítica e dos leitores, e contando com direitos vendidos para publicação em 10 países. Daisy vive em Londres com o marido, as duas filhas e três cães.

Para mais informações aceda aqui.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

O Herói das Eras - Parte II


Título original: The Hero of Ages
Autor: Brandon Sanderson
Nº de páginas: 384
Editora: Saída de Emergência
Colecção: Bang!

Sinopse
«Quem é o Herói das Eras? 
O mundo aproxima-se do fim, esmagado pela força imparável de Ruína. Vin, Elend e os companheiros procuram desesperadamente opor-se-lhe, mas nada do que fazem parece ter algum efeito ou, quando o tem, é o oposto do que pretendem. De que serve a mera alomância contra um deus?
Especialmente quando não parece haver nada além dela, pois até as misteriosas brumas, em tempos aliadas, parecem ter-se tornado malignas. Mas será que desistir é uma opção? Terá chegado o momento de baixar os braços e aceitar o fim de tudo o que se ama?
Num mundo sufocado pela cinza e abalado por erupções contínuas e violentas convulsões sociais que afetam até a sociedade pacífica dos kandra, são estes os dilemas com que os sobreviventes do velho bando de Kelsier vão ser confrontados neste derradeiro volume da saga.»

Opinião
Há vários elementos que tornam Mistborn uma saga brilhante e um deles é enraizar a constante expectativa. No entanto, se por um lado esse aspecto é garantido em cada livro, também Sanderson assegura que haja um leque de inesgotáveis surpresas. De facto, este último capítulo é rico em surpresas e, numa palavra, arrisco defini-lo como imprevisível. Quer a nível de enredo, quer de personagens, constrói-se um cenário arriscado e aliciante que, entre todos os que figuravam na mente do leitor, corresponde àquele que nunca se imaginou ser possível: precisamente o que deixa qualquer um perplexo por ser impossível de imaginar.

O Herói das Eras - Parte II retoma o momento em que Vin foi confrontada com questões fulcrais à realidade do império e à sua própria existência, sendo obrigada a rever o seu passado e a revisitar memórias terríveis. A partir desta premissa, uma série de mudanças ocorre tanto em Vin como nas restantes personagens, conduzindo finalmente às revelações que até aqui foram tão desejadas.

Na verdade, este é um livro de revelações. De resoluções. Ao longo dos restantes volumes, foi estabelecido um conjunto de factos que idealmente seriam irrefutáveis. Só aqui se vislumbra a dimensão e a complexidade do enredo. O esquema elaborado é de tal ordem minucioso e intrincado que cada revelação parece mais impressionante que a anterior. Mais ainda, todos os novos aspectos conseguem encaixar-se nos antigos e compor um quadro completamente plausível e homogéneo. É notável a forma como o autor constrói e desconstrói a obra, conseguindo encaminhar o leitor por onde pretende e, dessa forma, ludibriá-lo, desviando o foco do essencial que lá estava desde o início. A obra cresce de livro para livro, mas no fim tudo se resume àquela específica questão.

No que toca às personagens, neste livro torna-se evidente que cada uma tem um papel relevante na narrativa. Como seria de esperar, o ênfase recai em Vin e Elend, duas personagens habilmente delineadas e cujas acções são decisivas para o sucesso ou fracasso da missão. Detalhes do passado de Vin são clarificados, bem como a sua verdadeira importância nos acontecimentos que decorrem. O crescimento enquanto personagem é colossal e concretiza praticamente todas as expectativas que existiam. O protagonismo é partilhado ainda entre Susto, Sazed e TenSoon, três figuras que surpreendem bastante e cuja intervenção é extremamente importante para o desfecho da obra. Para além desse carácter narrativo, as personagens servem outro propósito, realçando o processo de procura da identidade e da aceitação do eu para atingir a nossa própria verdade - e nela acreditar.

A escrita de Sanderson continua exímia. A atenção ao pormenor, o ritmo oportuno e a alternância de focos entre as diferentes personagens permitem abarcar uma estética rigorosa e consistente. A aposta na alomância continua forte, sendo ainda desvendados os aspectos fantásticos mais profundos e básicos da obra que, inesperadamente, se revelaram mais proféticos e dicotómicos do que à primeira vista aparentavam.

Finalmente, penso que este livro e, por extensão, a obra tem apenas uma falha que - não o sendo necessariamente assim para outros leitores - assenta sobre a questão primordial deste universo de Mistborn que o autor não clarifica na sua totalidade. No capítulo final é patenteada essa mesma interrogação, deixando uma sensação agridoce e, de certa forma, frustrante. Intencional ou não, o autor consegue assim deixar o leitor em retrospectiva, analisando todos os detalhes para tentar encontrar essa resposta - concluindo que, mais uma vez, tudo faz sentido no puzzle com excepção desta peça em falta.

Mistborn assume-se, desta forma, como uma trilogia genial, tendo o seu apogeu neste último volume. Dotada de uma história original com elementos surpreendentes, personagens sólidas e uma escrita soberba, é uma saga notável da literatura em geral que agradará até o leitor que desdenhe do fantástico. Permanece a vontade de revisitar um dia mais tarde este misterioso e robusto mundo de Sanderson que tantas horas de leitura prazerosa me proporcionou.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Novidade Saída de Emergência: "Mulheres Perigosas" de George R. R. Martin e Gardner Dozois



Data 1ª Edição: 08/09/2017
Nº de Páginas: 784
Encadernação: Capa Mole
PVP: 18,80€

Sinopse
«Atenção: o perigo está à espreita perto destas mulheres!
Se procura um livro em que mulheres infelizes ficam a choramingar de pavor enquanto o herói masculino combate o monstro ou choca espadas com o vilão, este livro não é para si. Aqui encontrará mulheres guerreiras que brandem espadas, intrépidas pilotos de caças, formidáveis super-heroínas, femmes fatale astutas e sedutoras, feiticeiras, más raparigas duronas, bandidas e rebeldes, sobreviventes endurecidas em futuros pós-apocalípticos, rainhas altivas que governam nações e cujas invejas e ambições enviam milhares para mortes macabras, mulheres que não hesitam em assumir a liderança para defenderem aquilo em que acreditam.
Com organização de George R. R. Martin, que assina igualmente um conto passado no mundo de Westeros, e de Gardner Dozois, esta é uma antologia que cruza géneros literários e mistura todos os tipos de ficção, desde Megan Abbott a Brandon Sanderson.»

Os autores
GEORGE R. R. MARTIN trabalhou dez anos em Hollywood como argumentista e produtor de diversas séries e filmes de grande sucesso. Autor de várias coletâneas de contos e noveletas, foi em meados de anos 90 que começou a sua obra mais famosa, As Crónicas de Gelo e Fogo. É a saga de fantasia mais vendida da atualidade e uma adaptação televisiva de grande sucesso foi realizada pela HBO. Um autor multifacetado, a sua obra estende-se a diversos géneros como o horror, a fantasia, a ficção científica, e a prova disso são os títulos Dying of the Light, Windhaven (com Lisa Tuttle), The Armageddon Rag e Sonho Febril. O autor vive em Santa Fé, Novo México, com a sua mulher, Parris.
GARDNER DOZOIS é o fundador das antologias The Year’s Best Science Fiction e foi editor da revista Asimov’s Science Fiction de 1984 a 2004, conquistando inúmeros prémios Hugo, Locus e Nebula pelos seus notáveis trabalhos e contos surpreendentes. Ganhou o prémio Hugo para Melhor Editor Profissional 15 vezes. George R. R. Martin é um dos autores com quem mais colabora em antologias.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Novidade Topseller: "Uma Perfeita Estranha" de Megan Miranda



Nº de páginas: 320
PVP: 17,69€
Lançamento: 24 de Julho

Depois de As Desaparecidas, Megan Miranda surpreende com uma nova história que deixará os leitores fascinados e agarrados até à última página. 

Sinopse
«Leah precisa de fugir 
Leah levou demasiado longe o seu trabalho como jornalista ao publicar um artigo em que acusou um professor universitário de fornecer drogas aos alunos. Pensou que a verdade seria suficiente para resolver tudo. Estava enganada. 
Emmy tem a solução 
Graças à amiga Emmy, Leah consegue escapar ao escândalo, refugiando-se com ela numa pequena vila na Pensilvânia, longe de tudo, onde arranja um trabalho como professora. Infelizmente para Leah, ninguém é quem parece ser. 
Mas o passado não pode ficar enterrado 
Uma mulher incrivelmente parecida com Leah aparece morta nas margens do lago da vila. Uma carrinha é encontrada no fundo do lago. Emmy desaparece, sem deixar qualquer rasto, deixando a polícia a suspeitar que nunca terá existido, sequer. O que está, afinal, a acontecer?» 

A crítica
«Megan Miranda prova, com este entusiasmante thriller, que não é autora de um único êxito. Vai deixar os fãs de suspense psicológico a virar as páginas, umas atrás das outras.» — Library Journal 

«Os fãs de Megan Miranda devem celebrar, e os que ainda não o são devem começar a ler imediatamente.» — Seattle Book Mama

A autora
Megan Miranda é autora de livros de sucesso para jovens adultos, como Fracture, Hysteria, Vengeance e Soulprint. É licenciada em biologia pelo MIT e vive perto de Charlotte, no leste dos Estados Unidos, com o marido e os dois filhos. 
Uma Perfeita Estranha é o seu segundo romance publicado pela Topseller, depois de As Desaparecidas, a sua estreia nos thrillers e na escrita para adultos. Saiba mais em: www.meganmiranda.com 

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Novidade Bertrand: "A Torre Negra" de Stephen King


Género: Literatura / Fantástica
Tradução: Rosa Amorim
N.º de páginas: 888
Data de lançamento: 11 de Agosto de 2017
PVP: € 24,90 

«A Torre Negra VII», o final da obra mais visionária de Stephen King Suspense, ação e ousadia num desfecho há muito esperado pelos leitores

Inspirada no universo de J.R.R. Tolkien e num poema de Robert Browning, a coleção acompanha Roland Deschain, o último pistoleiro do Mundo Médio, na sua viagem num cenário pós-apocalíptico em busca de um edifício mágico no Fim do Mundo conhecido como A Torre Negra, o eixo do espaço-tempo contínuo. Com um equilíbrio perfeito entre ficção científica, fantasia e suspense, esta saga tem cativado leitores de todo o mundo e, agora, os leitores portugueses poderão finalmente conhecer um dos desfechos mais ousados, visionários e cativantes de sempre

Sinopse
«Stephen King cria «pura magia narrativa» (The Washington Post) a cada revelação na sua história, ultrapassando todas as expectativas no impressionante final da sua obra-prima, uma narrativa épica constituída por sete tomos. Entrelaçando histórias e mundos numa tela ampla e complexa, chegamos por fim à conclusão por que os leitores tanto esperaram: um final de uma imaginação estonteante, visionário, ousado e cativante. Roland Deschain e o seu ka-tet viajaram juntos e separadamente, espalhados por múltiplas camadas de mundos, inúmeros quandos e ondes. O destino de Roland, Susannah, Jake, do padre Callahan, Oy e Eddie prende-se com a própria Torre, que agora os puxa para mais perto de si, para fim de todos e novos inícios… e para um turbilhão de emoções, violência e descobertas.» 

A crítica
«O sétimo volume desta obra magna termina à beria do maior momento de suspense de Stephen King. Um olhar atento ao universo complexo e brilhante da Torre Negra explica por que razão este autor best-seller recebeu finalmente o reconhecimento pelo seu contributo para o cânone literário contemporâneo.» - Publishers Weekly 

«Um final perfeito para um épico americano ímpar.» - The Washington Post

O autor
Stephen King é um dos mais populares autores contemporâneos. Escreveu mais de quarenta livros, incluindo Carrie, A História de Lisey e Cell, Chamada para a Morte. Recebeu diversos prémios literários ao longo da sua carreira, incluindo o Bram Stoker Award, o World Fantasy Award, o Nebula Award e o prestigiado National Book Award. Conta hoje com mais de trezentos milhões de exemplares vendidos em cerca de trinta e cinco países. Números e um currículo impressionantes a fazerem jus ao seu estatuto de escritor mais bem pago do mundo.

A apresentação do livro acontecerá na FNAC do Centro Colombo, em Lisboa, no dia 25 de julho, terça-feira, às 18:30, no qual os fãs do autor poderão não apenas ter acesso em primeira-mão ao livro, como poderão participar numa conversa com fãs e conhecedores da obra de Stephen King para celebrar a chegada de um dos seus livros mais esperados e, ainda, a adaptação cinematográfica. O filme, realizado por Nikolaj Arcel, foi adaptado a partir dos dois primeiros volumes da coleção, «O Pistoleiro» e «A Escolha dos Três», e conta com Matthew McConaughey, Katheryn Winnick, Idris Elba, entre outros. A estreia em Portugal será também em agosto. 

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Rei dos Espinhos



Título original: King of Thorns
Autor: Mark Lawrence
Nº de páginas: 416
Editora: 20|20 Editora
Chancela: Topseller

Sinopse
«O Príncipe Jorg Ancrath jurou vingar a morte da mãe e do irmão, brutalmente assassinados quando ele tinha apenas 9 anos. Jorg cresce na ânsia de saciar o seu desejo de vingança e de poder, e, ao fim de quatro anos, cumpre a promessa que fez - mata o assassino, o Conde de Renar, e toma-lhe o trono. Aos 18 anos, Jorg luta agora por manter o seu reino, e prepara-se para enfrentar o inimigo poderoso que avança em direção ao seu castelo. 
Jorg sempre conquistou os seus objetivos matando, mutilando e destruindo sem hesitar, e agora não pretende vencer a batalha de forma justa, mas sim recorrendo aos mais terríveis segredos.»

Opinião
Jorg continua a sua luta pela conquista do império após ter marcado a sua posição em Príncipe dos Espinhos. O rapaz cresce, bem como a sede de vingança pelos eventos trágicos do passado. Enquanto novos tormentos ameaçam destabilizar os seus objectivos, as memórias viajam através de caminhos misteriosos e ganham vida sob a forma de visões e sussurros, impedindo e confundindo Jorg. Com tudo isto a acontecer, é cada vez mais incerta a vitória. Não obstante, é certo que cada vez há menos a perder.

Rei dos Espinhos distingue-se pela exploração da sua personagem central, Jorg. Numa dualidade entre o passado e o presente, a personalidade de Jorg é esmiuçada e confrontada com as possibilidades da sua evolução. Os seus traços sádicos, egoístas, ambiciosos e implacáveis já eram conhecidos do leitor. Ainda assim, neste volume Jorg consegue superar as expectativas e tornar-se num vilão/herói com forte presença, surpreendendo a cada instante tanto com o seu discurso omnipresente como com as acções instintivas. No que toca às restantes personagens, estas são meros fragmentos que suportam o foco em Jorg e que coabitam no seu imaginário e existência, auxiliando ou travando o seu percurso. Acima de tudo, esta saga mostrou, até agora, ser uma história de um protagonista construído com solidez e gradual crescimento.

Como narrativa, há que salientar o carácter mais descritivo deste volume que, portanto, oferece um ritmo lento e mais cadenciado que o livro anterior. Se, por um lado, existe espaço e tempo para aprimorar a consistência de Jorg, por outro essa queda de ritmo torna os momentos de acção menos constantes. É, ainda assim, uma leitura interessante e cativante, rica em elementos que surpreendem.

No que toca ao conteúdo fantástico, tal como em Príncipe dos Espinhos, penso que poderia haver um maior ênfase, sendo que por vezes existe uma falta de base criativa que o sustente. O autor, de certa forma, cruza o fantástico com o real num processo que é dinâmico e espontâneo, conferindo maior credibilidade. Não obstante, paira a sensação de insatisfação que é justificada pelo enorme potencial que a obra demonstra ter e que aqui não é totalmente alcançado.

Finalmente, é de destacar a prosa de Lawrence que, com o seu rigor, estilo e tom metafórico torna a leitura mais completa, sobretudo no que toca à personagem de Jorg e que permite uma melhor compreensão da dimensão que esta figura tem perante o leitor. Lawrence é, sem dúvida, um autor de grande qualidade literária.

Em resumo, Rei dos Espinhos é a confirmação de um excelente autor com uma boa obra, destacando-se principalmente pela exploração de um protagonista e das suas percepções acerca do universo que o envolve. A nível temático, o fantástico peca por defeito, havendo contudo espaço para pesquisa no próximo e final livro. Com uma narrativa cativante e pungente, Lawrence consegue um bom momento literário de sentimentos ambíguos, não fosse Jorg um puro duelo interior entre passado e presente, mágoa e orgulho, beleza e ódio.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Novidade Topseller: "A Rapariga do Casaco Azul" de Monica Hesse


Nº de páginas: 320
PVP: 17,69€
Lançamento: 10 de julho 


A Rapariga do Casaco Azul é o primeiro romance histórico para jovens adultos de Monica Hesse e é também a estreia da autora em Portugal. Um pouco por todo o mundo, tem sido amplamente aplaudido pela crítica, contando já com as mais diversas nomeações e distinções, como: 

Best Young Adult Mystery Novel Edgar Award, 2017 
Best Book for Teens New York Public Library, 2016 
Best YA Book Entertainment Weekly, 2016 
Best Young Adult Book Booklist, 2016

Um livro multipremiado de extraordinária beleza, que faz lembrar clássicos como A Rapariga Que Roubava Livros e O Rapaz do Pijama às Riscas. Inesquecível! 

Sinopse
«Amesterdão, 1943. Enquanto a Europa é engolida pelo véu nazi, Hanneke percorre diariamente as ruas da cidade. Com apenas 18 anos, ela consegue arranjar os bens raros que as pessoas procuram no mercado negro: chocolate, café, tecidos… Pequenos pedaços de normalidade, preciosos em tempos de conflito. E Hanneke fá-lo apenas por dinheiro! Não há espaço para bondade num mundo devastado por uma guerra que lhe roubou a vida e os sonhos. Até ao dia em que uma das clientes de Hanneke lhe faz um pedido tão perigoso quanto desafiante: que encontre a pequena Mirjam, uma rapariga judia que a senhora mantinha escondida em casa. A única pista que Hanneke tem é que, no dia em que desapareceu, Mirjam vestia um casaco azul. Contrariando o seu instinto, Hanneke decide procurar a rapariga. O que ela não sabe é que, ao procurar a pequena Mirjam, vai reencontrar uma parte de si mesma, aquela que Hanneke pensava ter sido completamente destruída com o som das primeiras bombas. Uma história poderosa e envolvente. Um olhar sobre a cidade de Anne Frank e sobre a força daqueles que, com pequenos gestos, lutaram contra o terror nazi.»

A autora
Monica Hesse, além de escritora de romances para jovens adultos, é jornalista do Washington Post. Devido à sua versatilidade jornalística, esta autora norte-americana é convidada frequentemente para comentar temas da atualidade na televisão e na rádio. Os seus artigos valeram-lhe já diversas nomeações para prémios jornalísticos como o Livingston Award e o James Beard Award.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Novidade Bertrand: "Terra de Espíritos" de Jodi Picoult


Género: Literatura
N.º de páginas: 512
Data de lançamento: 7 de julho de 2017
PVP: € 18,80

Jodi Picoult, uma das autoras mais populares da atualidade, está de regresso com um novo livro: Terra de Espíritos. Desta vez a autora aventura-se na temática do paranormal, mas sem nunca abandonar as questões éticas e morais que estão sempre presentes nos seus livros.

Terra de Espíritos conta-nos uma extraordinária história de espíritos, de amor e de destino, marcada por um crime passional e centrando-se numa parte obscura e pouco conhecida da história norte-americana: o projeto eugénico dos anos 30, que visava “melhorar” o património genético da raça humana.

Neste contexto, é explorada a maneira como as coisas voltam para nos assombrar. Tanto literal como figuradamente.

«O amor verdadeiro é como os fantasmas: todos falam dele, mas poucos o viram».

Sinopse
«Numa pequena cidade de Vermont, um pequeno terreno é posto à venda, levantando uma onda de protestos. Segundo os índios Abenaki, naquele terreno situa-se um ancestral cemitério índio. Para os acalmar, o investidor que ali pretende fazer um centro comercial contrata Ross Wakeman, um especialista em investigação paranormal.
Ross tentou o suicídio por diversas vezes, na esperança de se juntar a Aimee, a noiva que morreu oito anos antes. Mas após diversas noites a investigar, tudo o que Ross encontra é Lia Beaumont, uma mulher misteriosa que, tal como Ross, pretende desafiar as fronteiras que separam a vida da morte.
Assim tem início uma extraordinária história de amor, marcada pelo destino e por um crime passional.
Jodi Picoult centra-se numa parte obscura e pouco conhecida da história norte-americana, o projeto eugénico dos anos 30, para neste contexto explorar a maneira como as coisas voltam para nos assombrar – tanto literal como figuradamente.»

A crítica
«Uma histórica de fantasmas complexa e cheia de suspense que encanta e ilumina até à sua fortíssima conclusão.» - Amazon.com

«Um romance hipnotizante que olha para o espírito humano e para a profundidade do amor.» - Publishers Weekly

«Uma cativante história de amor e de segundas oportunidades.» - Booklist

A autora
Jodi Picoult nasceu e cresceu em Long Island. Estudou Inglês e Escrita Criativa na Universidade de Princeton e publicou dois contos na revista Seventeen enquanto ainda era estudante. O seu espírito realista e a necessidade de pagar a renda levaram a autora a ter uma série de empregos diferentes depois de se formar: trabalhou numa corretora e numa editora, foi copywriter numa agência de publicidade e foi professora de Inglês. É uma das autoras mais populares da atualidade. Em 2003, foi galardoada com o New England Bookseller Award for Fiction.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Novidade Bertrand: "A Origem" de Dan Brown


Data de lançamento: 3 de Outubro

De Onde Vimos? Para Onde Vamos? 

«Origem», o novo romance espantosamente inventivo do autor de thrillers mais popular do mundo 

Sinopse
«Bilbau, Espanha. Robert Langdon, professor de simbologia e iconologia religiosa da universidade de Harvard, chega ao ultramoderno Museu Guggenheim de Bilbau para assistir a um grandioso anúncio: a revelação da descoberta que «mudará para sempre o rosto da ciência.» O anfitrião dessa noite é Edmond Kirsch, bilionário e futurista de quarenta e dois anos Capa provisória cujas espantosas invenções de alta tecnologia e audazes previsões fizeram dele uma figura de renome a nível global. Kirsch, um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard, duas décadas atrás, está prestes a revelar um incrível avanço científico… que irá responder a duas das perguntas mais fundamentais da existência humana. No início da noite, Langdon e várias centenas de outros convidados ficam fascinados com a apresentação tão original de Kirsch, e Langdon percebe que o anúncio do amigo será muito mais controverso do que ele imaginava. Mas aquela noite tão meticulosamente orquestrada não tardará a transformar-se num caos e a preciosa descoberta do futurista pode muito bem estar em vias de se perder para sempre. Em pleno turbilhão de emoções e em perigo iminente, Langdon tenta desesperadamente fugir de Bilbau. Tem ao seu lado Ambra Vidal, a elegante diretora do Guggenheim que trabalhou com Kirsch na organização daquele provocador evento. Juntos, fogem para Barcelona, com a perigosa missão de localizarem a palavra-passe que os ajudará a desvendar o segredo de Kirsch. Percorrendo os escuros corredores de história oculta e religião extremista, Langdon e Vidal têm de fugir de um inimigo atormentado que parece tudo saber e que parece até de alguma forma relacionado com o Palácio Real de Espanha… e que fará qualquer coisa para silenciar para sempre Edmond Kirsch. Numa viagem marcada pela arte moderna e por símbolos enigmáticos, Langdon e Vidal vão descobrindo as pistas que acabarão por conduzi-los à chocante descoberta de Kirsch… e a uma verdade que até então nos tem escapado e que nos deixará sem fôlego.»

O autor
Com 200 milhões de exemplares de livros impressos em todo o mundo, com tradução para 56 línguas, Dan Brown é o autor de thrillers mais popular globalmente. Depois de «Inferno», o mais recente livro do autor - publicado em 2013 -, este é um dos romances mais esperados mundialmente. Em «Origem», os leitores poderão acompanhar mais uma vez as proezas do simbologista Robert Langdon e deixar-se levar pelos enigmas estrondosos, inventivos e de uma enorme atualidade. Dan Brown é autor de diversos livros que conquistaram o nº 1 dos tops internacionais, como «O Código da Vinci», «Anjos e Demónios», «Símbolo Perdido»,« Inferno», «A Conspiração» e «Fortaleza Digital».

domingo, 11 de junho de 2017

Novidade Topseller: "Maré Viva" de Cilla e Rolf Börjlind


Nº de páginas: 400
PVP: 19,99€
Lançamento: 12 de Junho

Da Suécia chega a nova dupla de escritores – Cilla e Rolf Börjlind – cujas obras retratam uma sociedade repleta de conflitos sociais. Autores de várias séries televisivas, figuram entre os argumentistas mais aclamados da Suécia.

Maré Viva constrói-se sobre uma trama intrincada de delinquência social e crimes ao mais alto nível.

Sinopse
«Olivia Rönning é uma estudante da Academia de Polícia de Estocolmo. Ela tem de escolher um crime não resolvido para comprovar se, com os recursos tecnológicos atuais, seria possível desvendar o caso. E um terrível crime suscita o seu interesse: o homicídio de uma mulher grávida, em 1987, numa praia, em noite de maré viva.
Olivia retoma a investigação do crime e, em busca de pistas, procura Tom Stilton, o inspetor responsável pelo caso, descobrindo que este desapareceu de forma misteriosa.
Simultaneamente, surge a notícia de espancamentos a pessoas sem-abrigo nas ruas de Estocolmo, cujos requintes de crueldade chocam a opinião pública: os atos de extrema violência são filmados pelos agressores e divulgados na Internet.
Determinada a desvendar o crime, Olivia acaba por descobrir que Tom Stilton é, atualmente, um sem-abrigo. Tom está mais interessado em vingar os crimes perpetrados contra os seus pares do que em ajudar Olivia, mas juntos acabarão por unir esforços e desenterrar um passado com revelações surpreendentes.
Uma trama intrincada sobre delinquência social e crimes ao mais alto nível, que se desenvolve num crescendo de suspense até chegar a um final arrebatador.»

Os autores
Cilla e Rolf Börjlind são um casal de autores bestsellers suecos, cujas obras retratam uma sociedade repleta de conflitos sociais.
Figuram entre os argumentistas mais aclamados da Suécia, sendo autores de 26 guiões de policiais e thrillers para cinema e televisão.
Maré Viva recebeu arrebatados elogios por parte da crítica, tendo os seus direitos sido vendidos para trinta países. Só na Suécia vendeu mais de 300 mil exemplares. A obra foi também convertida numa série de televisão, cujos direitos já foram vendidos para vários países.
A Topseller orgulha-se de dar a conhecer aos leitores portugueses esta dupla maior da literatura escandinava com este Maré Viva e com Terceira Voz, o título que se lhe segue, que será publicado em novembro de 2017.

As primeiras páginas estão disponíveis para leitura imediata aqui.